Presidente do Irã ataca o Ocidente; e EUA deixam plenário da ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 22 de setembro de 2011 as 17:32, por: cdb
Atualizado em 27/09/11 19:26

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, atacou na quinta-feira na ONU o Ocidente por seus malfeitos, mas ignorou em seu discurso a questão do programa nuclear do seu país e a reivindicação palestina de reconhecimento à sua independência.

Em seu pronunciamento de 30 minutos à Assembleia Geral da ONU, o presidente iraniano também deixou de mencionar os movimentos pró-democracia que têm varrido o mundo árabe neste ano, inclusive na Síria, mais importante aliado árabe de Teerã.

Delegados norte-americanos abandonaram o plenário quando Ahmadinejad afirmou que “potências arrogantes” ameaçavam com sanções, pressão midiática e ações militares quem questiona o Holocausto e os atentados de 11 de setembro de 2001 contra os EUA.

Outras delegações ocidentais também deixaram o recinto, no que já se tornou uma constante nos discursos anuais de Ahmadinejad na ONU.

Ele acusou Washington de usar os “misteriosos” atentados do 11 de Setembro como pretexto para as guerras no Afeganistão e Iraque, e disse que as potências ocidentais “veem o sionismo como uma noção e ideologia sagradas”.

A Casa Branca minimizou os ataques verbais de Ahmadinejad e acusou o governo iraniano de oferecer um “tratamento vil” aos seus próprios cidadãos. “Acho rico que o presidente iraniano tenha tais críticas”, ironizou o porta-voz Jay Carney.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, também lamentou o discurso de Ahmadinejad. “Ele não nos lembrou que governa um país que pode ter algum tipo de eleição, mas que também reprime a liberdade de expressão. Eles fazem tudo o que podem para evitar a responsabilização perante uma mídia livre. Eles impedem manifestações violentamente, e, sim, eles detêm e torturam aqueles que argumentam por um futuro melhor”, disse Cameron.

Mark Kornblau, porta-voz da legação dos EUA junto à ONU, disse que Ahmadinejad “novamente recorreu a abomináveis insultos antissemitas e a desprezíveis teorias conspiratórias”.

Em frente à sede da ONU, milhares de pessoas protestaram contra Ahmadinejad. A multidão, composta principalmente por iraniano-americanos, gritava “abaixo os ditadores, abaixo Ahmadinejad” e pedia a deposição do presidente, cuja reeleição, em 2009, foi marcada por suspeitas de fraude e desencadeou meses de protestos nas ruas do Irã.

“Esperamos ver que o povo do Irã seja representado na ONU por um funcionário democraticamente eleito”, disse Hamid Azimi, engenheiro de computação na Califórnia.

Leia aqui a íntegra do discurso de Ahmadinejad na ONU

“Caros colegas e amigos,

É claramente evidente que, apesar de todas as realizações históricas, incluindo a criação das Nações Unidas, que foi produto das lutas e esforças incansáveis de indivíduos livres de espírito e na busca de Justiça, bem como da cooperação internacional, as sociedades humanas estão ainda longe de cumprir seus nobres desejos e aspirações;

A maioria das Nações do mundo estão descontentes com as atuais circunstâncias internacionais;

E apesar do anseio e aspiração geral para promover a paz, progresso e fraternidade, guerras, assassinato em massa, pobreza generalizada e crises sócio-econômicas e políticas continuam a infringir os direitos e a soberania das Nações, deixando para trás um dano irreparável em todo o mundo;

Aproximadamente, três bilhões de pessoas do mundo vivem com menos de 2,5 dólares por dia e mais um bilhão de pessoas ainda vive sem ter sequer uma refeição suficiente por dia;

Quarenta por cento das populações mais pobres do mundo compartilha apenas cinco por cento do rendimento global, enquanto vinte por cento das pessoas mais ricas compartilhar setenta e cinco por cento da renda global, total.

Mais de vinte mil crianças  inocentes e carentes morrem diariamente no mundo por causa da pobreza.

Oitenta por cento dos recursos financeiros nos Estados Unidos é controlado por dez por cento de sua população, enquanto apenas vinte por cento destes recursos pertencem a noventa por cento da população.

Quais são as causas e as razões por trás dessas desigualdades? Qual é solução para tal injustiça?

Aqueles que dominam centros da gestão global, com o distanciamento entre moralidade, espiritualidade e com a vida social, colocam a culpa na aspiração dos seguidores das religiões e a busca do caminho dos profetas divinos ou na fraqueza das Nações e no mal desempenho de uma série de grupos ou indivíduos. Eles alegam que apenas suas opiniões, abordagens ou prescrições podem salvar a humanidade e a economia mundial.

Caros colegas e amigos

Acho que a raiz dos problemas deve ser procurada na ordem internacional vigente, ou a maneira como o mundo é governado.

Gostaria de chamar a atenção para as seguintes perguntas:

•  Quem escravizou dezenas de milhões de pessoas na África, nas suas casa  e noutras regiões do mundo durante o período negro da escravidão, tornando-os uma vítima de sua ganância materialista?

•  Quem instituiu o colonialismo por mais de quatro séculos sobre este mundo, ocupando terras e saqueando maciçamente recursos de outras nações, destruindo talentos, línguas, culturas e identidades das Nações?

•  Quem desencadeou a primeira e segunda guerras mundiais, que deixaram  cerca de setenta milhões de mortos e centenas de milhões de feridos ou desabrigados. Quem criou as guerras na península coreana e no Vietnã?

•  Quem instituiu, através de enganos e hipocrisia, os sionistas e incendiou mais de sessenta anos de guerra, causando desabrigo, assassinato e massacre do povo palestino e  em países da região?

•  Quem impôs e apoiou durante decádas as ditaduras militares e regimes totalitários às nações asiáticas, Africanas e latino-americanas?

•  Quem usou bomba atômica contra o povo indefeso e hoje armazena milhares de ogivas em seus arsenais?

ü  A economia de qual país depende de travar guerras e vender armas?

•  Quem provocou e incentivou Saddam Hussein a invadir e impor uma guerra de oito anos ao Irã, e quem o equipou e ajudou  a utilizar  armas químicas contra nossas cidades e nosso povo.

•  Quem usou o misterioso incidente de 11 de setembro como um pretexto para atacar o Afeganistão e o Iraque – matando, ferindo e desalojando milhões em dois países-com o objetivo final de trazer a sua dominação ao Oriente Médio e seus recursos de petróleo?

•  Quem aboliu o sistema de Bretton Woods imprimiu trilhões de dólares sem o respaldo das reservas de ouro ou moeda equivalente?

Um movimento que desencadeou a inflação em todo o mundo e foi destinado a predar os ganhos econômicos de outras nações.

•  A quem pretence gastos militares que excedem anualmente centenas bilhão de dólares, a mais do que os orçamentos militares de todos os países do mundo?

•  Quais são os governos mais endividados do mundo?

•  Quem são os dirigentes dos principais estabelecimentos de formulação de políticas da economia mundial?

•  Quem são responsáveis pela recessão econômica mundial e estão impondo suas consequências na América, Europa e o mundo em geral?

•  Quem são  os governos sempre prontos para soltar milhares de bombas em outros países, mas refletindo  e hesitando em enviar um pouco de ajuda alimentar para as pessoas atingidas pela fome na Somália e em outros lugares?

•  Quem são os que dominam o Conselho de segurança que supostamente é responsável por garantir a segurança internacional?

Existem dezenas de outras questões similares e claro, as respostas são claras.

A maioria das Nações e governos do mundo não tiveram nenhum papel na criação da atual crise global e de fato eles próprios foram vítimas de tais políticas.

É tão lúcida  que os mesmos mestres de escravos e potências colonialistas que instigaram uma vez as duas guerras mundiais causaram misérias generalizadas e desordem com efeitos profundos em todo o mundo desde então.

Caros colegas e amigos,

Estes poderes arrogantes realmente têm a competência e a capacidade de executar ou governar o mundo, ou se pode aceitar que eles sejam chamados como o único defensores da liberdade, democracia e direitos humanos, enquanto eles militarmente atacam e ocupam outros países?

Pode a flor da democracia  florecer de mísseis da OTAN, bombas ou, das armas?

Senhoras e Senhores Deputados;

Se alguns países europeus ainda usam o Holocausto, depois de seis décadas, como desculpa para recompensar os sionistas, como eles devem compensar e pagar indenizações às Nações africanas pelas épocas  coloniais e de escravidão ?

Se, de fato, foram compensados os danos e perdas do período da escravidão e do colonialismo, o que aconteceria com os poderosos bastidores nos Estados Unidos e na Europa? Será que permanecem eventuais lacunas entre o norte e o Sul?

Se apenas metade das despesas militares dos Estados Unidos e seus aliados na OTAN é destinada para ajudar e resolver os problemas econômicos nos seus próprios países,  será que não resolvem qualquer sintoma da crise econômica?

O que aconteceria, se a mesma quantidade fosse  alocada para as nações pobres?

Qual é a justificativa para a presença de centenas de bases militares e de inteligência em diferentes partes do mundo, incluindo 268 bases na Alemanha, 124 no Japão, 87 na Coréia do Sul, 83 na Itália, 45 no Reino Unido e 21 em Portugal? Isso significa algo diferente de ocupação militar?

As bombas implantadas nas referidas bases não minam a segurança das outras nações?

Senhoras e Senhores Deputados

A questão principal é a busca para a causa de tais atitudes?

A principal razão deve ser procurada em atitude e comportamentos dos gestores e os grupos dominantes.Um conjunto de pessoas em contradição com o instinto humano e que também não têm nenhuma fé em Deus e no caminho dos profetas divinos, substituiram sua luxúria e materialismo com valores celestiais.

Para eles, só o poder e a riqueza prevalecem e cada tentativa deve pôr em foco essas metas sinistras.

Nações oprimidas não têm esperança de restaurar ou preservar os seus direitos legítimos contra esses poderes.

Estes poderes buscam seu progresso, prosperidade e dignidade através da pobreza, da humilhação e da aniquilação dos outros.

Consideram-se superior aos outros, gozam de privilégios especiais, ou concessões. Eles não têm nenhum respeito pelos outros e facilmente violam os direitos de todas as Nações e governos.

Eles proclamam-se como os guardiões incontestáveis de todos os governos e nações através da intimidação, recorrem à ameaça e à força e ao abuso dos mecanismos internacionais. Eles simplesmente desrespeitam e violam direitos  e regulamentos internacionais.

Insistem em impor seu estilo de vida e crenças aos outros.

Oficialmente apoiam o racismo.

Eles enfraquecem países através de uma intervenção militar, destruindo sua infra-estrutura, para saquear seus recursos, tornando-os ainda mais dependentes.

Eles semeiam as sementes do ódio e da hostilidade entre as Nações e povos, para impedi-los de cumprir suas metas de desenvolvimento e progresso.

Todas as culturas, identidades, vidas, valores, as mulheres, os jovens, famílias,bem como a riqueza das Nações são sacrificados por suas tendências hegemônicas e por sua inclinação a escravizar e explorar  os outros.

A hipocrisia e a mentira são permitidos para proteger seus interesses e objetivos imperialistas. Promoção do uso de droga, chacina de inocentes também são permitidos em busca de tais objetivos diabólicos. Apesar da presença da OTAN no Afeganistão, tem havido um aumento dramático na produção de drogas ilícitas nesse país.

Eles não toleram nenhuma pergunta ou crítica, e em vez de apresentar uma razão para suas violações, sempre colocaram-se na posição de requerente.

Usando sua rede de mídia imperialista que está sob a influência do colonialismo, ameaçam quem questiona o Holocausto e o 11 de setembro com sanções e ação militar.

No ano passado, quando tratei da necessidade de formar uma comissão de verdade para  apuração de fatos  e realização de uma investigação completa sobre os elementos ocultos envolvidos no incidente de 11 de setembro nos Estados Unidos que é também apoiada por todos os governos independentes e pela maioria das nações, o meu país e eu pessoalmente fomos ameaçados pelo governo dos Estados Unidos.

Ai invés de atribuir uma equipe para averiguação, eles mataram o principal autor e jogaram seu corpo para o mar.

Não teria sido razoável, levá-lo à justiça e tentar abertamente identificar o autor principal do incidente e os elementos que forneciam o espaço seguro para que as aeronaves invasoras atacassem as torres gêmeas?

Por que não terá  sido permitido trazê-lo para julgamento, com  intuito de ajudar a reconhecer quem lançou estes grupos terroristas, guerras e outras misérias trazidos à região?

Existe qualquer informação classificada que deve ser mantida em segredo?

Eles vêem o sionismo como uma noção sagrada ou ideologia e qualquer questão relativa à sua própria Fundação e História é condenada por eles como um pecado imperdoável. No entanto eles endossam e permitem sacrilégios e insultos contra crenças das outras religiões divinas.

Caros colegas e amigos,

A verdadeira liberdade, justiça, dignidade, bem estar e duração de segurança são  direitos de todas as Nações.

Estes valores também não podem ser alcançados pela confiança no atual sistema ineficiente de governança mundial, nem através da intervenção das arrogantes potências mundiais e das  armas das forças da OTAN.

Esses valores só poderiam ser obtidos sob a independência e o reconhecimento do direito dos outros e através da cooperação e harmonia.

Existe alguma maneira de abordar os problemas e desafios que afetam o mundo, usando os mecanismos internacionais vigentes ou ferramentas para ajudar a humanidade a alcançar a aspiração de longa data de paz, segurança e igualdade?

Todos aqueles que tentaram introduzir reformas, salvaguardando as normas tendências existentes falharam. Os esforços valiosos, o movimento não-alinhado e grupo 77 e 15 assim como por alguns indivíduos proeminentes, apesar de ter impacto , não conseguiram trazer mudanças fundamentais.

Governança e gestão do mundo implicam reformas fundamentais

Mas o que é que deve ser feito agora?

Caros colegas e amigos,

Esforços devem ser feitos com uma firme determinação e através da cooperação coletiva para mapear um novo plano, de princípios e  com fundamento em valores humanos universais como o monoteísmo, justiça, liberdade, amor e a busca pela felicidade.

A idéia da criação das Nações Unidas continua a ser uma grande e histórica conquista da humanidade. Sua importância deve ser apreciada e suas capacidades devem ser utilizadas na medida do possível para alcançar  nossos nobres objetivos.

Não devemos deixar a ONU que é o reflexo da vontade coletiva e compartilhada aspiração da Comunidade das Nações, desviar-se da sua trajetória principal e jogá-la nas mãos das potências mundiais.

O terreno propício deve ser preparado para garantir participação coletiva e o envolvimento das Nações em um esforço para promover  paz e segurança duradouras.

A gestão partilhada e coletiva do mundo devem ser alcançadas no seu verdadeiro sentido e com base nos princípios subjacentes consagrados no direito internacional; e a justiça deve servir como o critério e a base para todas as decisões internacionais ou ações.

Todos nós devemos reconhecer o fato de que não há nenhuma outra maneira além da gestão partilhada e coletiva do mundo a fim de acabar com as desordens , tirania e as discriminações presentes em todo o mundo.

Isto é, de fato, a única maneira de alcançar prosperidade e bem-estar da sociedade humana, que é uma verdade estabelecida e viva.

Reconhecer a verdade acima não é suficiente , devemos acreditar e não poupar nenhum esforço para sua realização.

Caros colegas e amigos,

Gestão partilhada e coletiva do mundo é o direito legítimo de todas as Nações e nós como seus representantes, temos a obrigação de defender os nossos direitos. Embora alguns poderes tentem continuamente frustrar todos os esforços internacionais, destinados a promover a cooperação coletiva, devemos, no entanto, reforçar nossa crença na realização do objetivo de estabelecer uma cooperação partilhada e coletiva para o mundo.

A ONU foi criada para tornar possível a participação efetiva de todas as nações nos processos de tomada de decisões internacionais.

Todos nós sabemos que esse objetivo ainda não foi cumprido por causa da falta de Justiça nas estruturas de gestão atual e nos mecanismos das Nações Unidas.

A composição do Conselho de segurança é injusta e desigual. Portanto, alterações e a reestruturação das Nações Unidas são consideradas como demandas básicas das Nações que devem ser abordadas pela Assembléia Geral.

Durante a sessão do ano passado, eu enfatizei a importância desta questão e pedi a designação esta década como a década da gestão Global Compartilhada e Coletiva.

Eu gostaria agora de reiterar a minha proposta e estou certo de que, através da cooperação internacional e esforços de líderes e governos mundiais empenhados e por insistência na Justiça e através do apoio de todas as outras nações, pode-se acelerar a construção de um futuro comum.

Este movimento está certamente no caminho legítimo de criação com a garantia de um futuro promissor para a humanidade.

Um futuro que será construído quando a humanidade iniciar a tendência de entrar no caminho dos profetas divinos e justos  sob a liderança de Imam al-Mahdi, o Último Salvador da humanidade e  herdeiro de todos os mensageiros divinos, e a geração pura do nosso grande profeta.

Criação de uma sociedade ideal e Suprema com a chegada de um ser humano perfeito que seja um verdadeiro  e sincero amante de todos os seres humanos, é a promessa garantida de Allah.

Ele virá com Jesus Cristo para levar os amantes da liberdade e justiça para erradicar a tirania e a discriminação e promover o conhecimento, a paz, a justiça, a liberdade e o amor em todo o mundo. Ele apresentará a cada indivíduo todas as belezas do mundo e todas as coisas boas que trazem a felicidade para a humanidade.

Hoje as nações têm sido despertadas e com o aumento da sensibilização do público, eles já não sucumbem à opressões e discriminações.

O mundo agora assiste mais do que nunca, o despertar generalizado nas terras islâmicas, na Ásia, Europa e América. Estes movimentos expandem todos os dias seu espectro e influência para prosseguir na realização da Justiça, liberdade e na criação de um  amanhã melhor.

Nossa grande nação está pronta para juntar as mãos com outras nações e marchar sobre este belo caminho em harmonia e em consonância com as aspirações comuns da humanidade.

Saúdo o amor, liberdade, justiça, conhecimento e o futuro brilhante que aguarda a humanidade”.