Presidente do Banco Mundial apóia mudanças de Putin

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 21 de setembro de 2004 as 08:34, por: cdb

O presidente do Banco Mundial, James Wolfensohn, apóia as mudanças políticas propostas pelo presidente da Rússia, Vladimir Putin, algo que muitos países ocidentais criticam, alegando que elas limitam a democracia, disse nesta terça-feira o Wall Street Journal. Mas Wolfensohn manifestou preocupação com os limites da liberdade de imprensa no país e com as medidas contra a empresa petrolífera YUKOS.

Wolfensohn disse em entrevista ao jornal que não duvida das intenções de Putin ao mudar o sistema eleitoral para aumentar o poder do Kremlin. Putin tinha declarado que as mudanças são necessárias para combater o terrorismo, após uma série de ataques na Rússia.

Os Estados Unidos e a União Européia (UE) disseram que as reformas – incluindo a nomeação direta de governadores – prejudicam a democracia, mas Wolfensohn foi mais simpático às medidas.

– Pessoalmente, reluto em concluir que suas intenções são más – disse.

O presidente russo anunciou as mudanças depois de uma série de ataques de rebeldes chechenos e do sequestro na escola de Beslan que terminou com mais de 320 reféns mortos, sendo metade crianças.

– Acho que Putin tem uma questão muito difícil para enfrentar. O ato de barbarismo enfureceu o país inteiro e a primeira reação é pela segurança e para tentar centralizá-la – afirmou.

– Continuo acreditando que Putin está tentando controlar o país, e o país não está sob controle. Então, sinto por ele – sedntenciou.

Wolfensohn criticou medidas para limitar a liberdade de imprensa. Programas de atualidades foram tirados do ar e críticos acusam jornais de selecionar notícias.