Presidente do Banco Central diz que não há meta para câmbio no Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 14 de março de 2003 as 16:17, por: cdb

O presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, afirmou nesta sexta-feira, durante teleconferência promovida pelo UBS Warburg, que não há meta para o câmbio no Brasil e que o mercado irá ditar a cotação do dólar. Meirelles afirmou que as intervenções do BC no mercado este ano foram poucas e de montante irrelevante e que a única meta do Banco Central é a de inflação.

Segundo o presidente do BC, todos os comentários sobre inflação feitos por ele se baseiam na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). Ele quis deixar claro que as declarações nada têm a ver com a reunião do Copom a ser realizada na próxima semana.

Preços administrados

Meirelles disse que está vendo limites nos aumentos de preços administrados. A declaração foi feita em resposta a uma pergunta de um investidor sobre o impacto do aumento nos preços administrados, como os do setor elétrico.

“Primeiro, grande parte do aumento nos preços como resultado da alta nos índices de inflação de atacado, os quais são pesadamente influenciados pela depreciação do real, já absorveu tal choque da depreciação”, explicou Meirelles. “Segundo, já estamos vendo sinais de que algumas companhias estão tendo problemas de elevar preços por conta da taxa de inadimplência, que já está subindo. Ou seja, o mercado de novo está colocando um teto nos aumentos de preços e tarifas”, disse.

Por isso, Meirelles disse acreditar que o “grosso” dos aumentos de preços já ocorreu. “Levaremos isso em conta nas decisões de política monetária”, afirmou. Ele projetou uma variação de preços de 14% neste ano e algo substancialmente menor do que isso em 2004, em linha com a queda esperada na trajetória da inflação.

Segundo ele, o BC não tem responsabilidade direta sobre os aumentos dos preços administrados. “O governo tem alguma influência direta nos preços que são fixados por companhias controlados pelo governo federal. Os outros preços são estabelecidos por agências independentes”, explicou o presidente do BC.

Petróleo

Meirelles disse que os preços do petróleo e derivados afetam todos os países. Segundo ele, as projeções do BC sobre preços do petróleo, embutidas nas metas de inflação, não são públicas. “Mas a nossa meta e a nossa projeção da trajetória de inflação já estão levando em conta a alta nos preços do petróleo. Não diria que já incorporamos todos os cenários de estresse. Mas já incorporamos a alta nos preços do petróleo e derivados”, explicou.