Presidente africano poderá dar indulto a Winnie Mandela

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 28 de abril de 2003 as 11:27, por: cdb

O presidente da África do Sul, Thabo Mbeki, poderá ser obrigado a dar indulto a Winnie Madikizela-Mandela, que na sexta-feira foi condenada a cinco anos de prisão, publicou nesta segunda-feira, o jornal The Star.

As pressões dos partidários da ex-esposa de Nelson Mandela e o interesse do governista Congresso Nacional Africano (CNA) na “força” eleitoral da condenada são os motivos citados pela publicação, que, na capa, pergunta: “Mbeki indultará Winnie?”.

O próprio Mbeki, quando foi perguntado sobre o assunto numa entrevista a uma rádio por um dos ouvintes que ligaram para a estação, frisou neste fim de semana que respeita a independência dos tribunais.

No entanto, o jornal afirma que é provável que os recursos apresentados por Madikizela-Mandela, que poderão levar até dois anos para serem julgados, fracassem e que, antes ou depois, a chamada “Mãe da Nação” pedirá um indulto.

Mbeki poderia então ter que ceder às pressões da ala “radical” do CNA, que é afim a Winnie e que tacha o presidente de “neoliberal”, e, além disso, demonstrar que não se deixa guiar pelo histórico de suas péssimas relações pessoais com a ex-esposa de Nelson Mandela.

Madikizela-Mandela, que ficou livre mediante o pagamento de uma fiança de 10.000 rands (menos que 1.400 dólares), já recorreu da pena de cinco anos de prisão, que pode ser reduzida a apenas oito meses.

A ex-mulher de Nelson Mandela acusou o chefe da Procuradoria da Nação, Bulelani Ngcuka, e o ministro da Justiça, Penuell Maduna, de influenciar na decisão do tribunal regional de Pretória, o que ambos desmentiram .

– Fui traída por meus companheiros, aqueles que ajudei a chegarem ao poder – declarou Madikizela-Mandela à imprensa depois de ouvir o veredicto.

– Não me restava a menor dúvida de que a decisão (do procurador no caso, Jan Ferreira) de consultar Ngcuka, que por sua vez consultaria com Maduna, demonstrava que minha sentença não seria decidida pelo tribunal – disse.

O porta-voz de Ncguka, Sipho Ngwema, disse que, “na verdade, o Estado não pediu presão como pena. Foi o tribunal que decidiu que (Madikizela-Mandela) deveria receber a sentença que recebeu”.

A Procuradoria, segundo seu porta-voz, acredita que, devido à idade de Winnie, que completará 67 anos em setembro, e ao seu papel na luta contra o apartheid, “o encarceramento não é apropriado sob tais circunstâncias e, portanto, ela se equivocou” em suas acusações a Ngcuka e Maduna”.