Presidenta: a cautela realista diante da crise

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 25 de agosto de 2011 as 09:47, por: cdb

Em manifestações diárias a presidenta Dilma Rousseff, didática e criteriosamente tem preparado o país para o agravamento da crise econômica global, seus efeitos no Brasil e as providências quase diárias que seu governo adota para fazer frente às consequências dessa situação.

Ela tem mostrado que o país está melhor preparado agora para essas turbulências do que em 2008, graças entre outros “colchões” às reservas externas de US$ 350 bi e o compulsório que ultrapassa R$ 420 bi. Ontem a presidenta Dilma repetiu previsões otimistas e revelou que não acredita no aprofundamento da crise financeira internacional ou na volta de momentos como os de 2008, quando grandes instituições financeiras quebraram.

“Acho que a crise vai ser isso que estamos vendo: um dia tá pior, outro dia tá melhor”, afirmou. Ela fez a afirmação depois do lançamento do Crescer, programa para estimular o microcrédito no país para as pequenas e médias empresas e que vai reduzir drasticamente os juros pra a área – de 60% para 4% e 5% ano.

“O dinheiro está empoçado (retido nos bancos, temerosos de emprestá-lo)”, disse a chefe do governo, acrescentando ainda que, mesmo assim o Brasil “deu vários passos” e “está melhor” do que em 2008. “Eu não tenho nenhuma bola de cristal para dizer como vai ser a crise”, afirmou, para em seguida, acrescentar que não acredita que venham a se repetir “catástrofes” como a quebra do Lehman Brothers, o banco norte-americano que detonou publicamente a crise em 2008.