Preocupação dos italianos agora é com pagamento do resgate

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 29 de setembro de 2004 as 08:47, por: cdb

A alegria nacional na Itália pela volta das duas voluntárias sequestradas no Iraque deu lugar nesta quarta-feira a preocupações com o pagamento de resgate pela liberdade das mulheres, pois o governo do primeiro-ministro Silvio Berlusconi ainda se recusa a comentar publicamente se um resgate foi pago pela libertação de Simona Pari e Simona Torretta, de 29 anos.

Mas o presidente do comitê de assuntos exteriores do Parlamento disse que a Itália provavelmente pagou resgate de aproximadamente um milhão de dólares.

– A vida das garotas era a coisa mais importante – afirmou Gustavo Selva, membro da coalizão de centro-direita de Berlusconi.

– Em princípio não deveríamos ceder a chantagem, mas dessa vez tivemos, apesar de ser um caminho perigoso porque, obviamente, pode incentivar outros a sequestrarem, por razões políticas ou criminosas – disse ele.

Questionado pela rádio francesa RTL se o resgate foi de um milhão de dólares, Selva disse:

– Acho que pagamos no fim. A soma provavelmente está correta – disse.

O jornal conservador italiano Il Folio condenou o pagamento de resgate: “Elas faziam um trabalho humanitário honesto e terminaram sendo motivo de coleta (de dinheiro) sem saber”, disse em editorial intitulado “Não Celebremos”.

– Isso se chama resgate e vai incentivar o comércio de armas e recrutamento para a guerra contra a paz e a democracia naquela parte do mundo – acrescentou.

Apesar das críticas, as mulheres foram recebidas como heroínas no aeroporto por Berlusconi, com transmissão pela TV.

– Ficamos o tempo todo com os olhos vendados e não vimos os rostos dos sequestradores – contou uma delas, segundo uma fonte judicial.

Uma autoridade policial disse que as duas falaram também que foram bem tratadas e que “temerem por sua vida apenas às vezes”.

Elas foram sequestradas sob mira de armas no escritório do grupo de caridade em que trabalhavam em Bagdá, ajudando estudantes, no dia 7 de setembro. Jornais italianos publicaram fotos das duas sorrindo, sob manchetes como “De volta para casa” e “Libertadas”.