Premier do Japão muda gabinete, mas mantém política econômica

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 27 de setembro de 2004 as 09:40, por: cdb

O primeiro-ministro do Japão, Junichiro Koizumi, reformulou seu gabinete nesta segunda-feira a fim de aumentar seus índices de popularidade e fortalecer os planos de reforma. Mas a mistura de rostos familiares com caras novas levantou dúvidas sobre se o dirigente conseguiria atingir suas metas.

Heizo Takenaka, de 53 anos, arquiteto de muitas das reformas econômicas do governo Koizumi, continua no cargo, encarregado da política macroeconômica do país, e deve assumir também a responsabilidade por reformar o sistema de correios japonês.

Takenaka abriu mão de sua pasta anterior, na qual comandava os serviços financeiros, em favor de seu vice, Tatsuya Ito, de 43 anos. Mas, segundo analistas, a promoção de Ito era um sinal claro de que o rumo das reformas no sistema bancário não mudaria.

O ministro das Finanças do país, Sadakazu Tanigaki, o ministro Shoichi Nakagawa (Comércio), o chefe de gabinete Hiroyuki Hosoda e o ministro Taro Aso (Assuntos Internos e Comunicações) continuaram em seus cargos.

Yoriko Kawaguchi, ministra das Relações Exteriores, foi substituída por Nobutaka Machimura, de 59 anos, um ex-ministro da Educação visto como uma figura próxima do premiê. Kawaguchi não era membro do Parlamento e estava sendo criticada por sua falta de pulso.

Koizumi precisa silenciar a oposição dentro de seu próprio partido a fim de conseguir implementar reformas como a privatização dos serviços postais e a fim de aumentar seus índices de popularidade.

O premiê entra agora, provavelmente, no que devem ser seus dois últimos anos de governo. Mas, sem ceder aos anti-reformistas, que não receberam cargos no governo, Koizumi alimentou dúvidas sobre se seu novo gabinete conseguiria ter o impacto desejado.

– Não há nada aqui que o fará ganhar popularidade – disse Steven Reed, um cientista de política da Universidade Chuo (Japão).

Um político relativamente desconhecido, Yoshinori Ohno, assumirá o cargo de ministro da Defesa, posto considerado fundamental em um tempo de expansão do papel do Japão na área.
Hidehisa Otsuji, membro do Senado, assumiu o Ministério da Saúde, do Trabalho e do Bem-Estar Social.

Participantes do mercado financeiro não prevêem nenhuma grande mudança de política econômica como resultado da reforma.