Prefeitura de São Paulo vai investir R$ 40 milhões em Tecnologia da Informação

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 26 de outubro de 2001 as 17:28, por: cdb

A prefeitura de São Paulo vai investir R$ 40 milhões, no próximo ano, em vários projetos de informática e governo eletrônico (e-government) com recursos próprios e em parcerias com empresas privadas, de acordo com o coordenador de governo eletrônico da capital paulista, Sérgio Amadeu da Silveira. “Vamos implantar 72 pontos de acesso gratuito à Internet em bairros da periferia da cidade, em 2002. Já implantamos dois neste ano e queremos implantar outros 20 ainda até o final de 2001”, afirma Silveira. Segundo ele, a Telefónica doou os 40 computadores e os dois servidores que serão usados nos centros localizados nos bairros Cidade Tiradentes e São Mateus, da periferia de São Paulo (são 20 micros e 1 servidor para cada centro).

Os centros funcionam 24 horas em todos os dias da semana e possibilitam o acesso da população aos serviços on-line da prefeitura – começando pelos que já existem desde a última administração – como tirar certidão negativa de dívidas do IPTU (Imposto Predial Territorial e Urbano) ou pedir para tapar buracos nas ruas.

De acordo com o coordenador, este projeto é a principal iniciativa de governo eletrônico da prefeitura de São Paulo, que pretende integrar comunidades carentes ao mundo digital e diminuir a chamada “exclusão digital”. Mas, segundo Silveira, a prefeitura da capital paulista tem ainda outros projetos que serão as linhas-mestras da atual administração nos próximos anos na área de tecnologia. Um deles é a migração dos sistemas atuais do padrão Windows para o Linux e a reorganização da Prodam, companhia de processamento de dados do município. O coordenador revela que a prefeitura vai investir boa parte dos recursos em 2002 no desenvolvimento de software dentro da Prodam para uso próprio e dentro do padrão Linux. A Prodam, adianta Silveira, também abrirá licitação em breve para compra de novos servidores de rede.

Ele enfatiza, porém, que “colocar os serviços na Web é fácil, difícil é mudar os procedimentos da administração”. “Reproduzir a burocracia em tempo real seria absurdo. O governo eletrônico tem que facilitar a vida do cidadão, por isto nossas diretrizes são claras: implantar uma rede de comunicação municipal, modernizar os sistemas corporativos e a Prodam e consolidar e ampliar os sistemas de atendimento ao público”, diz.