Prefeito Reinaldo Nogueira participa de lançamento do Projeto Cultivida

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 12 de março de 2012 as 10:33, por: cdb
  • Publicação: 12/03/2012 – 13:32h
  • Redatores: Laís Fernandes
  • Release N.º: 478
  • O prefeito Reinaldo Nogueira (PMDB) participou na noite de quinta-feira (8) no Votura Hall do lançamento nacional do Projeto Cultivida, administrado pela empresa Iharabras S.A. Indústrias Químicas com apoio da Prefeitura de Indaiatuba. O projeto que visa reduzir e eliminar os casos de intoxicação por agroquímicos no Brasil terá abrangência nacional e com duração de no mínimo cinco anos; o mesmo prevê diversas ações com foco em três áreas de atuação: saúde do trabalhador; atividade agrícola e bem-estar familiar.

    A cerimônia contou com a participação do deputado Estadual Rogério Nogueira (PDT); do assessor especial do Ministro Mendes Ribeiro do Ministério da Agricultura, Francisco Sergio Ferreira Jardim; do médico toxicologista da Unicamp, Ângelo Zanaga Trapé; do presidente da Ihara, Júlio Borges Gárcia; do Gerente de Registro da Ihara, Rodrigo Naime Salvador e de outros representantes de órgãos municipais.

    Para o presidente da Ihara, Júlio Borges Garcia, o Cultivida quer contribuir e estabilizar a cultura de que é possível trabalhar com proteção no campo, reduzindo e eliminando os casos de intoxicação no País. “A agricultura familiar é o expoente principal na geração de emprego e renda no campo”, diz. “Apoiar o trabalhador e garantir que ele exerça a sua função com segurança traz bons resultados não apenas para a comunidade rural, mas para toda a sociedade brasileira. Acreditamos que o Brasil seja a saída mais viável para a produção de alimentos do mundo e para isso precisamos cuidar da nossa terra”, salienta.

    O médico toxicologista da Unicamp Ângelo Zanaga Trapé apresentou um parâmetro nacional sobre os dados de intoxicação no país por agroquímicos e destacou a base de ação do projeto. “Temos dados distorcidos sobre a exposição e sobre a intoxicação pelos agrotóxicos, nosso objetivo é capacitar os agentes de saúde para descarte ou confirmação de casos suspeitos a níveis regionais e locais” explica Trapé.

    O Gerente de Registro da Ihara, Rodrigo Naime Salvador, ressaltou a seriedade do projeto em nível nacional. “É uma grande alegria lançar o Cultivida, pois a agricultura é a nossa vida, ela que nos fornece o alimento. Somos um País tropical e os agricultores sofrem com isso, pois para ter um alimento na mesa, esse plantio e colheita custam muito para o agricultor e por isso temos que cuidar desses homens do campo. O Brasil é um país potencialmente agrícola, por isso o projeto Cultivida fará o investimento de 2,8 milhões de reais para que a agricultura gere vida e não intoxicação”, resume Salvador.

    O prefeito de Indaiatuba, Reinaldo Nogueira, também realçou a importância de ações de prevenção a respeito da intoxicação por agroquímicos “Essa iniciativa da Ihara é importante para o Brasil como um todo. Onde há mais simplicidade temos que buscar e levar a informação, como gestor público eu abraço essa causa, pois esse projeto traz benefícios para as famílias e proporciona bem estar aos trabalhadores rurais, sem prejudicar a própria saúde. Quero parabenizar a iniciativa da empresa, por elaborar um projeto como esse que desempenha um excelente trabalho para toda a população brasileira”, sublinha Nogueira.

    O assessor especial do Ministro Mendes Ribeiro, Francisco Sergio Ferreira Jardim, encerrou o lançamento ressaltando o progresso do Brasil no setor de agricultura. “O Brasil na década de 70 era um grande importador de alimentos, e após diversos planos a agricultura saiu no litoral e foi se expandindo pelo Brasil ao ponto que hoje somos grandes exortadores de alimento; somos o quarto maior exportador de carne suína do mundo, exportamos 41% da nossa produção de frango. O Brasil tem capacidade de produção para se abastecer e ainda enviar alimentos para outros lugares, dominamos o ramo de agricultura há 40 anos, mas ainda precisamos de tecnologia para controle de pragas, precisamos investir forte na mão de obra, e empresas como a Ihara, que tem a visão do futuro e lança projetos como esse é importantíssimo para o desenvolvimento do Brasil nesse setor”, comenta e conclui Jardim.

    O projeto

    A Ihara, preocupada com a exposição humana aos agroquímicos lançou o projeto Cultivida, por meio do qual dará orientações à população rural acerca dos perigos e riscos à saúde do trabalhador e sua família, atuando em etapas de prevenção de intoxicações. Além disso, em parceria com pesquisadores e médicos especializados na área, o Cultivida oferecerá treinamentos a equipes de saúde pública de municípios de vários estados do Brasil com a finalidade de auxiliá-los no diagnóstico correto e tratamento nos casos de intoxicação e contaminação por agroquímicos.

    De abrangência nacional e com duração de no mínimo cinco anos, o projeto prevê diversas ações com foco em três áreas de atuação: saúde do trabalhador; atividade agrícola e bem-estar familiar. O Foco na saúde do trabalhador é com investimentos em conscientização através de especialistas da área médica; Na atividade agrícola com aumento da rentabilidade por meio da aplicação das Boas Práticas Agrícolas; no bem-estar familiar será com orientações para a saúde da mulher e da criança, incluindo atividades culturais.

    Nos últimos 15 anos, a agricultura do Brasil alcançou um crescimento de 99% em sua produtividade, com aumento de apenas 34% da área plantada. Para esse aumento considerável na produtividade, o uso de novas tecnologias foi imprescindível e o agroquímico é parte fundamental nesse cenário. O uso de agroquímicos na agricultura é intensivo e várias publicações têm apontado as intoxicações por agroquímicos como um dos principais problemas de saúde, especialmente entre trabalhadores rurais.

    O risco de efeitos adversos à saúde humana relacionados ao uso de agroquímicos depende fundamentalmente do perfil toxicológico do produto, do tipo e da intensidade da exposição pelos indivíduos e da susceptibilidade da população exposta. A exposição individual torna-se menor, e consequentemente o uso de agroquímicos fica mais seguro, à medida que procedimentos de proteção são adotados e as regras de segurança obedecidas.

    #