Preços medidos pelo IPCA-15 mostram redução nos níveis inflacionários

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 20 de abril de 2010 as 11:43, por: cdb

A inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15) desacelerou em abril, em razão de uma queda nos custos dos combustíveis e de uma menor alta de habitação. O indicador registrou avanço de 0,48% em abril, ante elevação de 0,55% em março, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira. Em abril de 2009, o IPCA-15 havia subido 0,36%.

Analistas consultados pela Reuters previam uma leitura de 0,50%, de acordo com a mediana de 19 respostas que variaram de 0,43 a 0,52%. A média dos três núcleos do índice, calculada por economistas, apontou alta de 0,39% em abril, ante 0,43% em março. “Os combustíveis, ao ficarem 3,08% mais baratos, foram os responsáveis pela desaceleração do IPCA-15”, afirmou o IBGE em nota.

“O litro de gasolina ficou 2,12% mais barato, levando esse item a representar, individualmente, a principal contribuição para baixo no IPCA-15: -0,09 ponto percentual. A seguir veio o etanol, cujo litro ficou 13,64%”, acrescentou.

Os combustíveis haviam subido com força recentemente, impactados pelos aumentos da cana, e agora revertem esse movimento. Assim, os preços do grupo Transportes caíram 0,71% em abril, após subirem 0,41% em março. Outro grupo em desaceleração foi Habitação, com variação positiva de 0,08% neste mês, ante 0,27% no anterior.
Por outro lado, os preços de Alimentação e bebidas subiram mais, em 1,71% em abril ante 1,22% em março, acumulando no ano salto de 4,79%.

O leite pasteurizado teve a maior contribuição de alta para o índice do mês, de 0,09 ponto. Outros aumentos significativos de preços entre os alimentos foram tomate, feijão carioca e batata-inglesa. No ano, o IPCA-15 acumula elevação de 2,51% e nos últimos 12 meses, de 5,22%.

Inflação do aluguel

A inflação medida pelo Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) ficou em 0,50% na segunda prévia de abril, de acordo com a Fundação Getulio Vargas (FGV). O IGP-M serve de referência para o reajuste de contratos de aluguel. Em março, no mesmo período, a variação foi de 0,91%. O Índice do Produtor Amplo (IPA) diminuiu para 0,38% na segunda prévia do mês, abaixo da taxa de 1,10% verificada em igual período de março. A taxa dos bens finais, na mesma comparação, caiu de 0,91% para 0,57%. A maior contribuição partiu do subgrupo alimentos in natura, cujo índice passou de 11,01% para 6,34%.

A taxa dos bens intermediários ficou em 0,72% neste levantamento, ante 0,97%. Já o índice referente aos materiais brutos caiu de 1,61% para -0,44%. Segundo a FGV, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) registrou variação de 0,50% na segunda prévia de abril, ante 0,64% no mesmo período de março. O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) apresentou taxa de 1,25% em abril, ante 0,37% em março.

A segunda prévia do IGP-M compreende a coleta de preços entre os dias 21 de março e 10 de abril.