Preço do pretóleo preocupa, mas não se fala em aumento no Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 4 de outubro de 2004 as 15:53, por: cdb

A secretária de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, Maria das Graças Foster, garantiu nesta segunda-feira que, apesar de o preço do petróleo no mercado internacional estar há alguns dias na casa dos US$ 50, “não se fala hoje, no Brasil, na questão do aumento de combustível”.

Durante a abertura da Rio Oil&Gás Expo and Conference, que se realiza até a próxima quinta-feira, no Riocentro, a secretária lembrou que a posição do país é confortável, uma vez que se aproxima da auto-suficiência.

– O Brasil encontra-se numa situação bastante favorável, uma vez que a sua produção se aproxima da auto-suficiência. Mais do que isso, pelo conhecimento que o país tem hoje das disciplinas que sustentam o desenvolvimento da indústria do petróleo e gás natural.

A secretária, porém, admitiu que a manutenção da alta em um patamar elevado é uma preocupação mundial.

– A nível mundial, a preocupação é bastante grande: US$ 50 são motivo de reflexão, mas no caso específico do Brasil a Petrobras tem toda uma assessoria técnica acompanhando essas questões – justificou.

A secretária não quis se aprofundar no tema.

De acordo com a secretária, de uma maneira geral, o mundo todo volta a atenção para o aumento do consumo, que é significativo.

– Hoje, vários elementos justificam este preço de US$ 50, desde condições climáticas, problemas sociais e ambientais, dificuldades de prospecção por resistências ambientais até, e principalmente, uma grande questão política. Isto faz com que os preços acelerem – explicou.

Sobre o novo patamar de preço do petróleo no mercado externo, a secretária disse que ele deve ser conhecido em poucas semanas.

– Acreditamos e esperamos todos que o novo patamar do preço do petróleo esteja muito bem definido nas próximas semanas. Mas, a indústria do petróleo de forma alguma acredita na fixação deste patamar de US$ 50 – concluiu.