Powell pede que Síria e Líbano parem de apoiar qualquer grupo terrorista

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 4 de maio de 2003 as 09:16, por: cdb

O secretário de Estado americano, Colin Powell, pediu que Síria e Líbano deixem de oferecer qualquer tipo de apoio a grupos considerados terroristas pelos Estados Unidos, incluindo o movimento xiita Hezbollah.

Após reuniões em Damasco e Beirute, Powell disse que os líderes de Síria e Líbano devem aceitar a “nova situação estratégica” da região, após a queda de Saddam Hussein no Iraque e a apresentação do novo plano de paz para palestinos e israelenses.

O secretário americano afirmou que a Síria já ordenou o fechamento de escritórios de alguns grupos anti-Israel em Damasco, mas o governo dos Estados Unidos espera que as autoridades sírias “façam mais”.

De acordo com a agência estatal de notícias da Síria, o presidente Bashar Al-Assad considerou o encontro com Powell “construtivo, franco e positivo”.

Hamas

Durante a visita à região, o secretário de Estado americano afirmou que o Líbano precisa acabar com as atividades das guerrilhas do Hezbollah e a Síria deve parar de apoiar o movimento apoiado pelo Irã.

“Acreditamos que é hora de o Exército libanês se mobilizar na fronteira e encerrar a presença da milícia armada do Hezbollah”, disse Powell.

Os Estados Unidos também querem que a Síria combata a presença de grupos como o Hamas e a Jihad Islâmica em Damasco.

Apesar da afirmação de Powell de que as autoridades sírias teriam ordenado o fechamento dos escritórios de algumas organizações anti-Israel, líderes do Hamas contestaram a informação e disseram que o grupo continua operando na Síria.

Proposta de paz

Na visita a Damasco, o secretário americano disse ainda que a proposta síria de uma declaração sobre a ilegalidade das armas de destruição em massa em todo o Oriente Médio é um objetivo dos Estados Unidos, mas afirmou que ainda não é hora de discutir o assunto.

“É um objetivo que vamos perseguir ao longo do tempo e, no momento, eu não apóio a declaração em particular porque ela poderia ser apresentada por razões políticas para destacar o assunto”, afirmou.

Powell também reiterou o compromisso americano com a criação de um Estado palestino até 2005, sob os termos do novo plano de paz apresentado a israelenses e palestinos na última quarta-feira.

“Desejamos ver a criação de um Estado palestino, que viveria lado a lado, com paz, com Israel. E esperamos que isso ocorra em um período de tempo relativamente curto”, disse.