Powell: Brasil é forte candidato ao Conselho de Segurança

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 5 de outubro de 2004 as 11:32, por: cdb

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Colin Powell, em visita ao Brasil, disse nesta terça-feira que o Brasil é “um bom candidato” a integrar o Conselho de Segurança da ONU. Powell se reuniu com empresários em um café da manhã em São Paulo e visita o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, à tarde, em Brasília, para discutir o programa nuclear brasileiro e o enriquecimento de urânio.

Powell, no entanto, evitou anunciar apoio aberto ao Brasil. Segundo ele, a comissão indicada pelo secretário-geral Kofi Annan ainda não terminou seu relatório com sugestões para mudanças no trabalho e nas atribuições da ONU. 

– O Brasil teria de ser visto como um candidato importante. Mas até ver as recomendações finais, não vamos ficar apontando esse ou aquele país – afirmou Powell, em resposta a uma pergunta feita por um empresário.

O resultado sobre o novo painel da ONU deve sair no final do ano. Powell destacou o trabalho do Brasil na liderança da comissão de paz no Haiti, e que isso poderia contar pontos a favor do país.Cerca de 200 empresários acompanharam o discurso feito pelo secretário americano.

Elogios a Lula e às eleições

Powell teceu elogios ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao processo das eleições municipais, como sinal de comprometimento do país com a democracia. Powell frisou que, apesar das dificuldades, o Afeganistão fará neste ano eleições livres e que no caso do Iraque isso acontecerá no início do próximo ano.

Programa nuclear

O secretário norte-americano se reúne no fim da tarde com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e com o chanceler Celso Amorim, no palácio do Planalto. O tema central das reuniões será a segurança internacional. Apesar de negar preocupação dos EUA com o programa nuclear brasileiro, o secretário quer vem reivindicar maior acesso dos inspetores internacionais ao Brasil.

 – A visita é uma manifestação de um grande respeito à política brasileira, que ele fez questão (de realizar), mesmo sabendo que esteja talvez nos seus últimos momentos como chefe da diplomacia americana –  disse o ministro Marcelo Vasconcelos, chefe do Departamento das Américas do Norte, Central e Caribe do Itamaraty.

O secretário de Estado norte-americano negou nesta segunda-feira que haja preocupação norte-americana com o programa de enriquecimento de urânio do Brasil.

– Não temos nenhuma preocupação do Brasil caminhar em uma direção que não seja o uso pacífico da energia nuclear e a criação de seu próprio combustível para suas usinas – disse Powell a jornalistas do lado de fora do avião que o levou para São Paulo.

– Não há preocupações de proliferação de nossa parte, mas achamos que eles devem trabalhar com a AIEA (Agência Internacional de Energia Atômica, órgão ligado à ONU) para satisfazer as necessidades pedidas pela AIEA para a realização das inspeções.