Por que o Brasil não prendeu?

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 27 de maio de 2015 as 15:23, por: cdb
Colunista pergunta por que a corrupção na CBF tem de ser punida pela justiça americana e não pela justiça brasileira?
Colunista pergunta por que a corrupção na CBF tem de ser punida pela justiça americana e não pela justiça brasileira?

Deu na BBC Brasil (a íntegra está aqui): “O vice-presidente da CBF, José Maria Marin, e outros seis dirigentes da Fifa foram presos na manhã desta quarta-feira em um hotel em Zurique, na Suíça, sob acusações de corrupção.

A polícia suíça efetuou as prisões a pedido da Justiça americana, onde corre um processo sobre corrupção na organização.

Marin foi visto deixando o hotel entre os detidos, acompanhado de policiais que carregavam sua mala e seus pertences em uma sacola plástica.

…Eles podem ser extraditados para os Estados Unidos.

…O grupo é acusado de armar um esquema de corrupção com propinas de pelo menos US$ 150 milhões de dólares (mais de R$ 470 milhões), que existe há pelo menos vinte e quatro anos.

Fizeram com ele o que ele fez com o Vladimir Herzog?

Entre as acusações que os suspeitos enfrentam estão lavagem de dinheiro, crime organizado e fraude eletrônica.

‘O indiciamento sugere que a corrupção é desenfreada, sistêmica e tem raízes profundas tanto no exterior como aqui nos Estados Unidos’, disse a procuradora-geral Loretta Lynch.

‘Essa corrupção começou há pelo menos duas gerações de executivos do futebol que, supostamente, abusaram de suas posições de confiança para obter milhões de dólares em subornos e propina’.”

Meu sentimento, como brasileiro, é de enorme vergonha, por estar a Justiça estadunidense fazendo o que nossa Justiça deveria ter feito há décadas.

Mas, não de culpa, porque sempre tratei tal cidadão como medíocre, incompetente, corrupto e cleptomaníaco, elemento nefasto para o esporte brasileiro, tudo tendo feito para que ele não conduzisse a Seleção Brasileira para a derrota anunciada em 2014.
Feitos um para o outro: Marin e Maluf.

Mesmo assim, considero um exagero a possibilidade levantada pelo Depto. de Justiça dos EUA, de que Marin venha a ser condenado a 20 anos de detenção. Para um octogenário, isto equivaleria à prisão perpétua. Ele fez totalmente por merecer a desonra e o opróbrio, mas morrer na prisão seria demasiado.

Aproveito para reproduzir dois posts antigos meus que ajudam a montar o dossiê Marin:

DEIXAREMOS UM FILHOTE DA DITADURA
NOS REPRESENTAR NO MUNDIAL 2014?!

FOLHA CORRIDA DO ATUAL PRESIDENTE DA CBF:

COMO DEPUTADO DURANTE A DITADURA MILITAR, EXIGIU QUE FOSSE INVESTIGADA A INFILTRAÇÃO COMUNISTA NA TV CULTURA (PONTO DE PARTIDA DO ASSASSINATO DE VLADIMIR HERZOG) E FOI À TRIBUNA FAZER OS MAIS RASGADOS ELOGIOS AO DELEGADO SÉRGIO FLEURY (O TOCAIEIRO DO MARIGHELLA). LEIA OS DOIS DISCURSOS DO LAMBE-COTURNOS aqui

COMO ESPORTISTA, ROUBOU ATÉ MEDALHA DE CAMPEÃO DA COPA SÃO PAULO (vide aqui).

COMO CIDADÃO, FEZ “GATO” PARA SURRUPIAR ENERGIA ELÉTRICA DO VIZINHO (vide aqui).

DEIXAREMOS UM MARIN DESSES REPRESENTAR O FUTEBOL BRASILEIRO NUMA COPA DO MUNDO?!

O PRESIDENTE DA CBF TAMBÉM SURRUPIOU OBRAS DE ARTE?

É o que o Juca Kfouri insinua (vide aqui). Dizendo não conhecer o apartamento de José Maria Marin, o jornalista afirma haver escutado “dos que já tiveram a honra de lá estar que seus quadros são dignos de decorar as paredes de palácios”.

E, com fina ironia, arremata:

“Como, por exemplo, o dos Bandeirantes”.

Ou seja, Kfouri sugere que Marin também teria levado souvenirs de sua passagem pela sede do Executivo paulista, entre maio/1982 e março/1983, quando substituiu o licenciado governador biônico (*) Paulo Maluf, do qual era vice.

Se non è vero, è ben trovato. Afinal, continua vivo na nossa memória aquele patético episódio de 2012, quando, disfarçadamente, Marin embolsou a medalha que deveria entregar a um jogador do Corinthians, durante a cerimônia de premiação dos campeões da Copa São Paulo de Futebol Júnior.

Não foi, contudo, tão sorrateiro a ponto de passar despercebido para um atento câmera da TV Bandeirantes, que flagrou o furto.

Daquela vez, a cleptomania marinesca acabou sendo exibida em rede nacional de TV.

E agora, estaria escancarada nas paredes do seu luxuoso apê –aquele cujo elevado consumo de energia elétrica foi, segundo outra denúncia de Kfouri, pago durante muito tempo pelo vizinho, pois o distraído Marin teria esquecido de desmembrar as contas, ao alugar-lhe o apartamento ao lado.

Celso Lungaretti, jornalista e escritor, foi resistente à ditadura militar ainda secundarista e participou da Vanguarda Popular Revolucionária. Preso e processado, escreveu o livro Náufrago da Utopia. Tem um ativo blog com esse mesmo título.

Direto da Redação é um fórum de debates editado pelo jornalista Rui Martins.