Popularidade de Bush cai nos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 9 de setembro de 2003 as 11:55, por: cdb

O grau de aprovação ao presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, diminuiu nas últimas semanas, mas os analistas dizem que a razão principal está nos problemas da economia, mais do que na preocupação com a ocupação do Iraque. A popularidade de Bush caiu nove pontos desde maio, a 52%, de acordo com uma pesquisa publicada pela revista Time.

A enquete conduzida pela Zogby International conhecida no último final de semana detectou que sua aprovação pela população havia caído a 50%. Somente 45% dos consultados nessa pesquisa deram a Bush uma qualificação positiva, comparada com 52% há um mês. “É uma combinação da guerra no Iraque com os problemas da economia, mas muito mais baseada na economia”, explicou Stephen Hess, um analista da Brookings Institution, um centro de estudos de Washington.

Hess argumentou que tudo é relativo em pesquisas de opinião. “Se você observa sua popularidade antes de fevereiro, por exemplo, as pesquisas pareceriam muito semelhantes ao que mostram agora”, disseram especialistas. “Todos os altos e baixos têm que ver com o Iraque. Mas em termos eleitorais, a questão econômica é mais significativa. Atualmente, o caso Iraque não tem nada que ver com a eleição”.

Bush, que tentará a reeleição em 2004, já participou em uma série de eventos de campanha em todo o país, mostrando suas conquistas políticas, enquanto nove aspirantes democratas buscam a candidatura por seu partido para desafiá-lo. “A prioridade pública se deslocou de forma importante para concentrar-se mais na questão econômica”, disse Scott Keeker, um especialista do Centro de Investigação Pew, de Washington. “Certamente as notícias continuam sendo um pouco decepcionantes nesse terreno”.

As empresas dos Estados Unidos continuam suprimindo empregos, embora os principais indicadores econômicos tenham marcado uma tendência para a recuperação. Quatro meses depois de ter declarado o fim das operações de combate, Bush enfrenta quase que diariamente notícias de mortes de soldados norte-americanos no Iraque. Mais de 60 militares norte-americanos morreram em ataques de guerrilhas desde o 1º de maio. Mas esses números “não atingiram o ponto de causar dano aos centros de decisão política”, argumentou Hess.

Analistas assinalram que a maioria dos norte-americanos apóia a guerra. Uma pesquisa de Time/CNN indica que 52% dos consultados acreditam que a guerra foi em vão, já que as armas de destruição em massa jamais foram encontradas.