População desconhece efeito dos transgênicos na saúde

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 30 de julho de 2001 as 21:28, por: cdb

A falta de detalhes sobre o consumo destes produtos, segundo a pesquisa, atinge a imensa maioria das donas-de-casa e grande parte da população brasileira.

Entre os ítens questionados está:
Respostas à implementação da lei que regulamente a venda de transgênicos no Brasil e sua relação com o combate à fome:

Beneficiaria as empresa estrangeiras: 29,4%

Acham que o governo deveria se preocupar
em resolver os problemas sociais: 29,4%

Apóiam qualquer medida neste sentido: 29,4%

Não têm opinião formada: 11,8%

Total:100%

Resultado da Pesquisa:

“O potencial das técnicas de Engenharia Genética é ilimitado, mas o confuso debate público ainda deve levar um bom tempo. O que se percebe na pesquisa é que a sociedade precisa estar melhor informada sobre os seus principais benefícios e riscos, pois os consumidores, num curto prazo, desconhecem todos esses aspectos.

“Fatos que não foram abordados na pesquisa, como os riscos à saúde, também são importantes de serem analisados futuramente e levados em consideração na aceitação ou não desses alimentos. Com a grande demanda no mercado mundial, torna-se um problema controlar a produção agrícola de transgênicos e informar corretamente o consumidor sobre o que está levando para casa, sendo difícil acompanhar todas as informações que possam polemizar.

“Boa parte das pessoas pesquisadas, necessitariam formar uma melhor opinião já que contradizem em aspectos semelhantes, como conhecerem e não saberem diferenciar um alimento transgênico na prateleira. Apesar de não existir informações nas embalagens, nos tornamos indiferentes aos produtos importados e suas conseqüências ainda não bem ressaltadas.

“Outra característica da pesquisa que vale ressaltar, é o número de pessoas que responderam se já ouviram falar sobre alimentos transgênicos, sendo 60,5% respondendo que não. No futuro esta amostragem poderá se focalizar numa determinada área, como os supermercados, mas cabe ressaltar que está repercussão ocorrerá quando o assunto for discutido de uma maneira aberta pela sociedade”.

Trabalho desenvolvido no 2º semestre de 1999 – (Fatea/Sto André-SP).