Ponte Preta vence o Guarani e acaba com tabu de 15 anos

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 28 de outubro de 2002 as 23:24, por: cdb

A Ponte Preta finalmente voltou a vencer o Guarani e acabou com um tabu de 15 anos. Nesta segunda-feira à noite, o time ponte-pretano bateu o maior rival por 4 a 2 em jogo disputado e nervoso, válido pelo Campeonato Brasileiro.

A vitória da Ponte pode ser comemorada por vários motivos. Além de acabar com o tabu, a Ponte venceu o jogo no estádio do Guarani, o Brinco de Ouro da Princesa, de virada, após estar perdendo por 2 a 0, e ainda deixou o time bugrino para trás na tabela de classificação do campeonato. A Ponte também encerra uma série de três jogos sem vencer.

A última vitória da Ponte Preta sobre o Guarani havia acontecido em 1987, em jogo válido pelo Campeonato Paulista, também no Brinco de Ouro. De lá para cá, foram disputados 15 jogos, contando o desta segunda, com seis vitórias do Guarani, oito empates e uma da Ponte.

Pelo Campeonato Brasileiro, as duas equipes já se enfrentaram 10 vezes. E a equipe ponte-pretana derrubou outro tabu. A Ponte havia vencido apenas uma partida, em 1977. O Guarani tem três vitórias em jogos válidos pelo Brasileirão e já aconteceram cinco empates.

Com o resultado desta segunda, a Ponte chegou aos 30 pontos ganhos, assumindo o sexto lugar no Campeonato Brasileiro. Já o Guarani, que somou sua quarta derrota consecutiva, fica com 28 pontos e cai para a 10ª posição.

A Ponte Preta volta a jogar agora na próxima quinta-feira, contra o São Paulo, no Morumbi. O time alvinegro encerra sua participação enfrentando Portuguesa (C), Santos (F), Vasco (F) e Fluminense (C). Já o Guarani, que ainda não venceu nenhum time paulista no Brasileirão, enfrenta o Santos no próximo sábado, em Campinas. Depois pega Vitória (F), Bahia (C), Botafogo (C) e Flamengo (F).

Confusão e feridos

Antes de a bola rolar, uma confusão nas arquibancadas do estádio Brinco de Ouro da Princesa deixou vários torcedores da Ponte Preta feridos. Pressionados pela polícia, os ponte-pretanos recuaram e se apertaram atrás de um dos gols. Uma grade de proteção não resistiu e cedeu. Várias pessoas caíram no fosso do estádio.

Segundo o tenente-coronel Lúcio Ricardo de Oliveira, do 35º BPM (Batalhão de Polícia Militar) de Campinas, os policiais reagiram quando começaram a ser atingidos por pedras vindas da torcida da Ponte. De acordo com a PM, 200 policiais foram escalados para trabalharem na partida.

Já os torcedores da Ponte reclamaram do pouco espaço reservado a eles no estádio e culparam a direção do Guarani. “O tumulto aconteceu porque não liberaram mais espaço para a torcida da Ponte”, reclamou um torcedor identificado como Márcio.

Segundo informações preliminares, divulgadas pelo tenente-coronel Lúcio no intervalo da partida, 15 torcedores ficaram feridos, além de nove policiais, sendo nenhum com gravidade.

O jogo

A partida foi tensa e marcada por vários lances duros. Apenas no primeiro tempo o árbitro Paulo César de Oliveira distribuiu seis cartões amarelos, três para cada equipe. O atacante João Paulo, atingido por Basílio no final do primeiro tempo, não teve condições de voltar para a segunda etapa.

A Ponte Preta começou a partida mais ofensiva e tentou abrir o marcador antes dos 5min em duas cobranças de falta. Na primeira delas, aos 2min, Piá pegou mal na bola e mandou longe do gol de Edervan. Dois minutos depois foi a vez de Caíco tentar. Desta vez, a bola passou perto do gol bugrino.

Aos poucos, porém, o Guarani foi se soltando. Aos 14min, o meia Júnior foi derrubado por Piá. Se os ponte-pretanos não conseguiram marcar em duas cobranças de falta, o Guarani abriu o placar em sua primeira. Sérgio Alves chutou com muita força e acertou o canto direito de Alexandre Negri. Foi o 10º gol do atacante no Brasileirão.

O empate da Ponte quase saiu aos 17min, quando Basílio puxou um ataque pela direita e, da entrada da área, arriscou o chute, errando o alvo. Apesar do crescimento e do gol do Guarani, a Ponte continuou com mais posse de bola, porém, sem eficiência.

Já o Guarani,