Político alemão que caiu de pára-quedas pode ter se suicidado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 6 de junho de 2003 as 19:02, por: cdb

Os indícios de que o ex-ministro alemão Jürgen Möllemann, 57, pode ter se suicidado enquanto praticava pára-quedismo em Muenster (oeste da Alemanha) são cada vez mais fortes, disse nesta sexta-feira a polícia.

Os investigadores ainda não estabeleceram por que Möllemann não acionou o pára-quedas de emergência quando, a mil metros de altura o pára-quedas principal se desprendeu em circunstâncias não-esclarecidas.

As investigações realizadas até agora não puderam determinar se Möllemann se suicidou, mas no equipamento utilizado pelo político não há indícios de falhas ou de manipulação. Várias testemunhas viram como o pára-quedas principal abriu normalmente, informou a polícia.

– Ainda não é certeza, mas acho que o pára-quedas principal foi desenganchado – disse o fiscal Wolfgang Reinicke, a cargo do caso.

Política

Möllemann foi uma das figuras mais controversas do Partido Democrata Liberal (FDP).

Möllemann deixou o FDP em março, reclamando de estar sendo pressionado por membros do partido, que lhe acusavam de ter travado uma guerra de palavras com líderes judeus e de ter atacado o premiê israelense, Ariel Sharon, no ano passado, na tentativa de atrair votos de eleitores extremistas nas eleições de setembro, vencidas por Gerhard Schröder que conseguiu sua reeleição como chanceler.

O ex-ministro, experiente praticante de pára-quedismo, participava com freqüência de eventos e competições do gênero e pulou para a morte no oeste da cidade de Marl.

Segundo informações de testemunhas oculares que relataram o incidente à polícia, o corpo de Möllemann foi encontrado a uma distância de 1.500 metros de seu pára-quedas em uma plantação. Outras nove pessoas que fizeram o mesmo salto de Mölleman conseguiram chegar ao chão em segurança.

Pouco antes do anúncio da morte de Möllemann, promotores alemães vasculhavam a casa e o escritório do ex-ministro na busca de documentos que pudessem comprovar seu envolvimento em um caso de sonegação de impostos e fraude política.

Os investigadores e promotores estavam na casa de Mölllemann, em companhia da mulher dele, quando chegou a notícia de sua morte.

De acordo com informações do site da revista alemã Der Speigel, familiares e amigos de Möllemann descartam a possibilidade de suicídio. De acordo com Uwe Tönningsen, colega de Möllemann, ele não faria isso, ademais, segundo ela, o ex-ministro conhecia os riscos do esporte (pára-quedismo) e tomava todos os cuidados necessários.