Policial suspeito de atirar na universidade entrega arma

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 19 de maio de 2003 as 10:42, por: cdb

Suspeito de ser o autor do disparo que feriu a estudante de enfermagem Luciana Gonçalves de Novaes, o policial civil Marco Ripper entregou neste domingo sua pistola PT-40, do mesmo calibre da bala que feriu a jovem no pátio da universidade Estácio de Sá, no último dia 5. A arma será encaminhada para exame de confronto balístico.

Somada à fita do sistema de segurança que havia sumido mas que foi encontrada no domingo e que pode conter cenas do momento do disparo, a polícia já tem evidências que podem dar bom impulso nas investigações do ataque ao campus da Estácio.

Todo o material apreendido foi encaminhado ao titular da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), delegado Luiz Alberto Andrade, que também tomou o depoimento de Marco Ripper por mais de quatro horas.
Segundo o delegado, a fita contém imagens feitas por uma câmera fixa direcionada para a tesouraria. Ele estranhou que a fita do dia 5 só tenha sido encontrada sexta-feira e apenas agora apresentada à polícia. Por isso, o material será submetido a exame de autenticidade para verificar se não foi adulterado ou passou por algum processo de edição ou cortes.

Marco Ripper compareceu ao espontaneamente para prestar depoimento acompanhado de seu advogado Paulo Freitas Ribeiro. O policial entregou a arma e 11 balas. O advogado do policial afirmou que seu cliente apenas prestava consultoria informal à universidade e que a decidiu entregar a arma para “dirimir qualquer dúvida”.

No depoimento, Ripper voltou a afirmar que não estava na universidade no momento em que a estudante foi baleada. Ele admitiu, no entanto, que, ao chegar ao local, recolheu as fitas, a pedido de um funcionário da Vigban, e entregou o material ao departamento jurídico da Estácio.