Policial acusado de chacina na Baixada vai a julgamento

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 10 de dezembro de 2007 as 13:11, por: cdb

 O Tribunal do Júri de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, começou a julgar na manhã desta segunda-feira o segundo dos cinco policiais militares acusados de participar da Chacina da Baixada, que deixou 29 pessoas mortas no dia 31 de março de 2005. O cabo José Augusto Moreira Felipe é o segundo a sentar no banco dos réus, após o soldado da PM Carlos Jorge de Carvalho, condenado a 543 anos de prisão pelos 29 homicídios.

Para esta segunda-feira também estava previsto o julgamento do soldado Fabiano Gonçalves Lopes, mas, a pedido da defesa, o processo foi desmembrado e uma nova data será marcada. Também respondem pelos mesmos crimes o cabo Marcos Siqueira Costa e o soldado Júlio César Amaral de Paula. Eles não têm data definida para irem a júri já que entraram com recursos que ainda não foram julgados.

Segundo o Tribunal de Justiça, na noite da que foi considerada a maior chacina já ocorrida no estado do Rio, os criminosos levaram terror a uma extensão de 15 metros entre as cidades de Nova Iguaçu e Queimados. Ainda segundo o TJ, as vítimas não tinham antecedentes criminais. Entre os mortos, estavam crianças, estudantes, comerciantes, desempregados, funcionários públicos, marceneiros, pintores e garçons.

Em maio de 2005, o Ministério Público chegou a denunciar 11 policias militares pelos crimes e o grupo acabou preso. Mas em fevereiro do ano passado a juíza Elizabeth Machado Louro aceitou parcialmente a denúncia e determinou que cinco deles fossem a júri popular e outros dois seriam julgados apenas por formação de quadrilha: o cabo Gilmar Simão, assassinado em outubro de 2006, e o cabo Ivonei de Souza, que entrou com recurso contra a decisão.

Os demais foram postos em liberdade, a pedido do Ministério Público, já que não foram encontrados indícios suficientes para incriminá-los.