Policiais federais são acusados de omissão em tortura no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 25 de março de 2003 as 12:14, por: cdb

O Ministério Público Federal do Rio denunciou nesta segunda-feiras à Justiça oito policiais federais, incluindo dois delegados, sob a acusação de omissão na tortura e morte do auxiliar de cozinha Antônio Gonçalves de Abreu, em setembro do ano passado. Outro policial foi denunciado por prevaricação.

Apesar de a denúncia afirmar que Abreu sofreu tortura na sede da Superintendência da PF do Rio, na madrugada do dia 7 de setembro, nenhum policial é acusado de tê-lo torturado.

O Ministério Público denunciou também três agentes e um funcionário administrativo por suposto crime de tortura contra Samuel Dias de Cerqueira, que foi preso junto com Abreu e o irmão Márcio Cerqueira Gomes.

Além da denúncia criminal, o Ministério Público entrou na Justiça pedindo a perda dos cargos dos envolvidos, a suspensão de seus direitos políticos por até cinco anos e o pagamento de uma multa de cem vezes o salário que recebem na PF. Encaminhou ainda um pedido de liminar para que os denunciados sejam afastados da atividade até o julgamento.