Policiais de UPPs atuam em missões de paz da ONU

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 28 de junho de 2016 as 10:31, por: cdb

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, o Brasil já participou de mais de 50 operações de paz e missões similares, tendo contribuído com mais de 33 mil militares, policiais e civis

Por Redação, com ACS – do Rio de Janeiro:

Mais de 40 policiais lotados em Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) atuaram em diversas Missões de Paz da Organização das Nações Unidas (ONU) nos últimos anos. Reconhecidos pela experiência de trabalhar nas Forças Armadas, os chamados Boinas Azuis estiveram em países como Haiti, Angola, Sudão e Moçambique, contribuindo para promover ou manter a paz em regiões de conflito.

 

Mais de 40 policiais lotados em Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) atuaram em diversas Missões de Paz da Organização das Nações Unidas
Mais de 40 policiais lotados em Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) atuaram em diversas Missões de Paz da Organização das Nações Unidas

– Esses policiais são referências, não só pela experiência de já terem atuado nas Forças Armadas, mas também pelo tempo longe de casa e a instabilidade para trabalhar em alguns locais – destacou o coronel André Silva de Mendonça, coordenador da Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP).

Atuar nas Missões de Paz exige um processo seletivo criterioso. Oficiais e praças que ingressam na PM e são contemplados para participarem nas ações, passam por avaliações comandadas pelo Departamento de Operações de Manutenção da Paz das Nações Unidas (DPKO), que envolvem provas de Inglês, tiro e direção, por exemplo.

– Durante as missões, eles trabalham com equipes internacionais atuando em diferentes frentes, como escolta, ensino, monitoramento de direitos humanos ou em presídios – explicou o coronel.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores, o Brasil já participou de mais de 50 operações de paz e missões similares, tendo contribuído com mais de 33 mil militares, policiais e civis. Atualmente, atua com mais de 1,7 mil pessoas em nove operações. A maior delas é a Missão para a Estabilização do Haiti, iniciada em 2004.