Polícia quer DNA de motorista da família Staheli

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 23 de dezembro de 2003 as 17:01, por: cdb

A polícia vai pedir que o motorista da família Staheli, Sebastião Moura, ceda material para exame de DNA, a fim de confrontá-lo com o das amostras já estudadas pelo laboratório da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

O resultado dessas análises mostraram que havia pele de um homem não identificado sob as unhas de Michelle Staheli e sangue, também de um homem, no carro de Moura.

O chefe de Polícia Civil, Álvaro Lins, disse que o motorista não é considerado suspeito, mas é preciso esclarecer uma contradição: em seu depoimento, Moura disse que havia socorrido em seu automóvel duas meninas de sua vizinhança que haviam se acidentado e que haveria sangue delas no veículo. No entanto, o material encontrado era de um ser humano do sexo masculino.

– Precisamos saber de quem é o sangue – disse Lins, lembrando que o motorista não é obrigado a produzir provas contra si mesmo.

O advogado dele, Marco Moura, não foi encontrado nesta terça-feira pelo Estado para falar sobre assunto. O advogado já disse que seu cliente está disposto a se submeter a qualquer exame que possa ajudar a elucidar o crime.