Polícia paulista prende segundo suspeito de matar casal

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 11 de novembro de 2003 as 20:06, por: cdb

O corpo da estudante Liana Friedenbach, de 16 anos, foi enterrado na tarde desta segunda-feira, no Cemitério Israelita do Butantã, Zona Oeste de São Paulo, e o de seu namorado, Felipe Silva Caffé, 19, no cemitério da Vila Alpina, Zona Leste da capital paulista.

O delegado Paulo Koch, titular do setor de Pessoas Desaparecidas do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), anunciou ontem que a polícia prendeu um homem conhecido como Agnaldo, suspeito. Ele foi apontado pelo menor R.A.A.C, de 16, conhecido como Xampinha, que já confessou ter assassinado o casal, de ser um dos autores do crime.  Moradores de Embu-Guaçu, onde estão presos, tentaram invadir a delegacia e linchar os suspeitos.

De acordo com Koch, Agnaldo teria participado da morte de Liana. Um outro suspeito, conhecido como Pernambuco, também teria participado do assassinato.

– O crime praticamente está esclarecido. Só falta a prisão de Pernambuco para fechar a investigação – afirmou o delegado, sem dar mais detalhes sobre a prisão.

Segundo o Instituto Médico Legal (IML), a adolescente foi assassinada no domingo passado, mais de uma semana depois de ter chegado ao local escolhido para acampar com o namorado, Felipe Silva Caffé, de 19 anos. O laudo do IML demonstrou, ainda, que Felipe morreu na quinta-feira, dia 6, e não no sábado, 1º de novembro, como a polícia chegou a suspeitar.

O corpo de Felipe foi encontrado pela polícia, a cerca de 4 km do local onde havia montado a barraca. O corpo de Liana estava perto de um riacho, a 2 km de distância do local onde encontraram o do estudante. O diretor do IML, Jorge Jarjura, informou que Felipe foi morto por um tiro na nuca e Liana com mais de 15 facadas. Segundo ele, não dá para dizer se os jovens foram assassinados por uma ou mais de uma pessoa.

Um adolescente de 16 anos, acusado de envolvimento no crime, foi detido. Segundo a polícia, ele confessou ter participado dos assassinatos, que teriam ocorrido há mais de uma semana. O adolescente indicou onde estavam os corpos.

Ela havia dito que iria para Ilhabela, no litoral, com um grupo de jovens da comunidade israelita. Os pais de Felipe disseram que sabiam que o rapaz iria acampar, mas acreditavam que estaria com amigos.

Segundo o delegado titular de Embu-Guaçu, José Marques,  o menor que assassinou o casal tem traços de psicopatia e desequilíbrio mental. O rapaz disse, no depoimento, que pensava apenas em roubar, depois Liana teria dito que sua família tinha dinheiro e pensou em seqüestrá-la, mas decidiu matar.

– Ele disse que deu algo na cabeça dele. Vontade de matar e ele matou – disse.