Polícia moral do Irã faz ofensiva contra homens de gravata

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 29 de abril de 2007 as 10:55, por: cdb

Os barbeiros e cabeleireiros iranianos passaram a receber, nos últimos dias, circulares oficiais proibindo-os de servir clientes que estejam usando gravatas. O fato repercutiu na imprensa local, neste domingo. A polícia moral do Irã disse que aqueles que desafiarem a ordem poderão ter seus locais fechados temporariamente ou até mesmo perder a licença de trabalho.

Nos anos iniciais após a revolução islâmica de 1979, o uso de gravata era visto como símbolo da decadência ocidental, mas as atitudes vinham sendo relaxadas nos últimos anos. A ordem dada aos barbeiros e cabeleireiros integra uma campanha iniciada há uma semana pelo governo iraniano contra vestimentas consideradas anti-islâmicas.

Segundo a polícia, 95% dos salões de barbeiro seguem as regras islâmicas, mas os restantes devem ser alertados de que podem ser fechados se não cumprirem as normas.Até agora, a campanha vinha se concentrando principalmente nas roupas das mulheres, com ênfase no uso do véu para cobrir a cabeça. Centenas de mulheres iranianas foram presas na semana passada por não usarem o véu de forma adequada.

A mulher de um diplomata estrangeiro chegou a ser detida, mas conseguiu convencer os policiais de que tinha imunidade. A polícia moral também proibiu o uso de maquiagem para homens, costume praticado em alguns lugares por noivos no dia do casamento. Também têm havido casos de jovens com cabelos longos e penteados diferentes obrigados a cortá-los, além de advertências contra o uso de camisas de mangas curtas.