Polícia indicia presidente de Israel por estupro

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 16 de outubro de 2006 as 10:55, por: cdb

Presidente de Israel, Moshe Katsav enfrenta uma pressão crescente para deixar o cargo nas próximas horas, depois que a polícia recomendou que ele seja acusado por estupro. Katsav, nascido no Irã, casado, tem cinco filhos, seis netos, e exerce uma posição que é em grande parte cerimonial e vista como uma força unificadora em um país de profundas divisões políticas, negou ter cometido qualquer crime e disse que é vítima de “um linchamento público sem julgamento”.

Após semanas de investigação, a polícia e o Ministério da Justiça disseram ter reunido provas de que Katsav “realizou os crimes sexuais de estupro e molestação sexual forçada e sem consentimento” contra mulheres que trabalharam para ele. O procurador-geral Menachem Mazuz é quem vai decidir se indiciará Katsav, de 60 anos. Uma fonte policial disse que uma decisão deve sair em cerca de duas semanas.

Desde a fundação do Estado de Israel, em 1948, surgem boatos sobre supostos casos sexuais envolvendo políticos proeminentes. Um ministro — que nega qualquer conduta imprópria — está atualmente sendo julgado por acusações de que teria beijado uma soldado contra a vontade dela. Mas nenhum político israelense foi acusado até hoje de um crime sexual grave, e Katsav poderá enfrentar até 16 anos de prisão se for julgado culpado de estupro.

Comentaristas dizem que já é hora de Katsav, que teve uma série de postos ministeriais como membro do partido de direita Likud, deixar o cargo.

“Moshe Katsav serviu como presidente nos últimos seis anos e a Presidência o serviu. Não há outra escolha a não ser dizer adeus”, escreveu o comentarista Nahum Barnea no jornal Yedioth Ahronoth.

“Adeus, presidente Katsav”, escreveu o analista legal Ze’ev Segal no diário Haaretz, pedindo ao político que “salve… a confiança pública na instituição da Presidência” anunciando imediatamente sua renúncia.

Ameaçado com um boicote dos legisladores se comparecesse à abertura da sessão de inverno (no Hemisfério Norte) do Parlamento, no domingo, Katsav decidiu não aparecer para evitar “ser parte desse teatro”, disse o irmão dele à Rádio do Exército.