Polícia identifica suspeito de matar dançarino no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 12 de agosto de 2015 as 14:09, por: cdb

Por Redação, com agências – do Rio de Janeiro:

A Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) identificou o suspeito de matar o produtor Adriano Cor, em julho. O corpo da vítima foi encontrado em um córrego próximo à estrada Passa Vinte, em Cabuçu, Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

 

A Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) identificou o suspeito de matar o produtor Adriano Cor
A Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) identificou o suspeito de matar o produtor Adriano Cor

 

De acordo com a Polícia Civil, o suspeito foi identificado como André Luís dos Santos Vieira, conhecido como Dedé. A partir da investigação, a delegacia conseguiu um mandado de prisão temporária, expedido pela 4ª Vara Criminal de Nova Iguaçu contra o suspeito.

Após o assassinato, os policiais receberam uma pista sobre o paradeiro de Adriano. Uma testemunha, disse ter visto o rapaz sozinho no Centro de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, na madrugada do dia 6 de julho, dia do crime.

Segundo Paulo André, delegado-assistente da DHBF, duas hipóteses são consideradas: crime de ódio ou passional. Os parentes do dançarino suspeitam que a motivação do crime tenha sido homofobia.

Adriano era dançarino e ator, integrante do grupo de maracatu Tambores de Olokun e trabalhava no Brechó da Dona Pavão.

Rivais de Playboy

O Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro prendeu na terça-feira seis dos traficantes mais procurados da cidade. Eles foram encontrados em um condomínio próximo ao Complexo do Chapadão, na zona norte da cidade, e não ofereceram resistência, segundo a PM. Durante a operação, foram apreendidas armas, como fuzis de longo alcance, com grande potencial de destruição, além de munições.

Entre os presos estão Ricardo Chaves de Castro Lima, o Fu da Mineira, e Cláudio José de Souza Fontarigo, o Claudinho da Mineira. Ambos tinham uma recompensa por sua captura avaliada em R$ 10 mil, segundo o Portal Procurados, do Disque Denúncia.

Fu era chefe do Comando Vermelho, facção criminosa que chefia o tráfico de drogas no Complexo do Chapadão, em Costa Barros, e no Morro da Mineira, no Catumbi, ambos na zona norte do Rio.

O secretário de Segurança Pública do Rio, José Mariano Beltrame, defendeu mudanças na legislação para dar maior responsabilidade penal a quem tiver porte de armas de uso restrito das Forças Armadas.

– Estou preparando uma (proposta de) alteração no Estatuto do Desarmamento. Não é possível que uma pessoa tenha um fuzil em casa e na hora de ser julgada não tenha um olhar diferenciado para o porte desse tipo de equipamento. Queremos dar um basta. Chega de termos aqui essa idolatria por armas de guerra. A lei precisa ser forte para que as pessoas entendam que quem tem uma arma de guerra, ou um dinamite para estourar caixa eletrônico, esse porte não pode ser tratado de maneira normal, como hoje nos diz a lei”.

As prisões dos traficantes fazem parte de uma série de operações feitas em conjunto pelas polícias militar, civil e federal em comunidades do Rio de Janeiro. Na segunda-feira, quase 6 mil alunos ficaram sem aula por conta da ocupação no Complexo da Pedreira, em Costa Barros, que resultou na morte de Playboy.

A Secretaria Municipal de Educação informou, em Costa Barros e entorno, de acordo com a 6ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), duas escolas e um Espaço de Desenvolvimento Infantil (EDI) estão sem atendimento nos dois turnos. Já no turno da tarde, estão sem atendimento dois EDIs, uma escola e uma creche. As unidades citadas atendem 1.617 alunos. A secretaria esclarece ainda que o conteúdo perdido será reposto.