Polícia faz buscas na sede da Fifa em Zurique

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 3 de junho de 2016 as 12:12, por: cdb

A Fifa comunicou ainda ter partilhado a informação com a Procuradoria-Geral da Suíça e o Departamento de Justiça dos EUA e que continuará com as investigações internas

Por Redação, com agências internacionais – de Zurique:

A polícia fez buscas no escritório da sede da Federação Internacional Associações de Futebol (Fifa) em Zurique, na Suíça. A operação foi autorizada pela Promotoria Geral do país.

A polícia fez buscas no escritório da sede da Federação Internacional Associações de Futebol (Fifa) em Zurique, na Suíça
A polícia fez buscas no escritório da sede da Federação Internacional Associações de Futebol (Fifa) em Zurique, na Suíça

De acordo com à agência inglesa de notícias Reuters, os agentes levaram documentos e dados digitais para análise.

– As buscas foram realizadas com o objetivo de confirmar os resultados da investigação que já existe e de obter informações adicionais – disse fonte na promotoria.

O presidente atual da Fifa, Gianni Infantino, não consta da lista de investigados no caso da Fifa, divulgada desde o ano passado. O escândalo de corrupção na entidade já derrubou o ex-presidente Joseph Blatter.

Blatter usou Fifa

O ex-presidente da Fifa Joseph Blatter e outros dois altos funcionários da entidade máxima do futebol estavam envolvidos numa “tentativa coordenada” de enriquecimento próprio por meio de aumentos anuais de salários e bônus de Copas do Mundo, comunicou a própria Fifa nesta sexta-feira.

Os advogados do escritório de advocacia Quinn Emanuel, responsáveis pela investigação interna da entidade, revelaram que Blatter, o ex-secretário-geral Jérôme Valcke, além do ex-chefe de finanças Markus Kattner receberam compensações de 79 milhões de francos suíços (cerca de 80 milhões de euros) em cinco anos. A investigação apurou o período de 2010 até 2015.

Blatter está suspenso por quatro anos de qualquer atividade relacionada ao futebol devido a outro caso: o controverso pagamento de 2 milhões de francos suíços para o também suspenso ex-presidente da Uefa Michel Platini.

Valcke foi afastado da Fifa por seu supostos envolvimento num mercado negro de revenda de ingresso para Copas do Mundo e está suspenso por 12 anos do futebol. Kattner foi demitido em maio por “deficiências”.

A Fifa comunicou ainda ter partilhado a informação com a Procuradoria-Geral da Suíça e o Departamento de Justiça dos EUA e que continuará com as investigações internas.

Procedimentos formais

O comitê de ética da Fifa disse que não há procedimentos formais contra Gianni Infantino, o recém-eleito presidente da entidade, depois de um jornal alemão ter relatado que ele estava diante de uma suspensão provisória por conduta antiética.

No entanto, o comitê não confirmou nem negou se investigações preliminares que antecedem uma investigação formal haviam ocorrido.

O jornal alemão Die Welt afirmou na quinta-feira que Infantino, eleito em fevereiro para liderar a Fifa em meio à pior crise de corrupção da sua história, enfrentava investigações por conta de possíveis violações éticas.

– Nós não estamos na posição de indicar se nós temos ou não investigações preliminares contra um indivíduo – declarou a seção investigatória do comitê de ética num comunicado à Reuters. “Nós gostaríamos contudo de dizer que não há procedimentos formais em andamento contra Infantino.”

O Die Welt disse ter visto e-mails que sugeriam que Infantino havia ordenado que autoridades da Fifa apagassem registros de uma reunião polêmica do conselho da entidade, o antigo comitê executivo, antes do congresso do mês passado na Cidade do México.

Ao mesmo tempo, o jornal suíço Tagesanzeiger publicou cópias de e-mails que, segundo o jornal, foram trocados entre autoridades da Fifa e os quais confirmariam que eles estavam obedecendo as instruções para apagar registros.

A Fifa afirmou num comunicado na quinta que um registro havia sido apagado porque foi armazenado de forma imprópria, mas que o áudio original ainda existia e estava arquivado.