Polícia encontra corpo de menino refugiado na Alemanha

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 30 de outubro de 2015 as 09:46, por: cdb

Por Redação, com DW – de Berlim:

A polícia de Berlim encontrou um corpo que acredita ser do menino bósnio Mohamed Januzi, de 4 anos, desaparecido quatro semanas. Mohamed sumiu na Agência de Saúde e Assuntos Sociais (Lageso, na sigla em alemão), onde são registrados os requerimentos de asilo na capital, no início deste mês.

O corpo foi encontrado na cidade de Kaltenborn bei Jüterbog, em Brandemburgo, no porta-malas do carro do suspeito de sequestrar o menino. Mais tarde o homem de 32 anos confessou o assassinato e foi preso pela polícia. Durante a detenção, o homem se manteve cooperativo e tranquilo. A polícia presume que ele foi o único autor do crime.

Policiais acham no porta-malas de um carro o corpo que acreditam ser de Mohamed Januzi, desaparecido desde o início de outubro
Policiais acham no porta-malas de um carro o corpo que acreditam ser de Mohamed Januzi, desaparecido desde o início de outubro

Imagens de vídeo e uma pista dada pela própria mãe do agressor, que reconheceu o filho em imagens divulgadas pela polícia, levaram à prisão do homem.

As autoridades disseram que só a autópsia, a ser concluída ainda nesta quinta, confirmará a identidade da criança, além das causas da morte. Não foram revelados detalhes sobre o crime.

Mohamed, da Bósnia e Herzegovina, estava com sua mãe e irmãos na Lageso quando desapareceu, no dia 1º de outubro. Imagens das câmeras de segurança mostram o menino saindo do local de mãos dadas com um homem.

A promotoria havia oferecido uma recompensa de 10 mil euros por informações que levassem ao suspeito. Outros 10 mil euros foram oferecidos por dois doadores privados. De acordo com o jornal Berliner Zeitung, o suspeito mora no mesmo bairro onde fica a Lageso e foi preso em Kaltenborn bei Jüterbog, a cerca de 90 quilômetros ao sul de Berlim.

Divergências sobre refugiados

O vice-chanceler federal alemão, Sigmar Gabriel, criticou nesta sexta-feira as divergências entre a União Democrata Cristã (CDU), partido de Angela Merkel, e sua tradicional aliada União Social Cristã (CSU) sobre a crise de refugiados na Alemanha.

Em entrevista à Spiegel Online, Gabriel, que também é ministro da Economia, afirmou que “chantagens e afrontas mútuas” são “indignas e simplesmente irresponsáveis”.

Segundo Gabriel, a disputa entre os dois grandes partidos da coalizão de Merkel “ameaça a capacidade legal do governo” alemão. “Quanto mais a briga durar, mais pessoas vão se afastar da política, e mais radicais de direita vão conquistar espaço”, alertou o vice-chanceler, líder do Partido Social Democrata (SPD) – parceiro da CDU-CSU na coalizão de governo federal.

Nesta semana, o governador da Baviera, Horst Seehofer, deu um ultimato e pediu uma intervenção federal urgente , ao criticar a Áustria por não informar as autoridades locais sobre o envio de refugiados ao estado alemão.

O governador bávaro, que é líder da CSU, diz que o governo alemão tem até domingo para limitar e controlar o afluxo de migrantes e pediu o fim da “política de portas abertas”.

Na quarta-feira, o secretário de Finanças da Baviera, Markus Söder (CSU) disse que a coalizão entre a CDU e a CSU se encontra “na situação mais difícil desde 1976”, quando membros da União Social Cristã votaram a favor do rompimento com os democratas-cristãos. A CSU, no entanto, rejeitou especulações sobre uma possível quebra da coalizão entre os dois partidos.

O número de requerentes de asilo vindos dos Bálcãs que cruzam a fronteira da Áustria com a Alemanha não deve diminuir nas próximas semanas. Gabriel se reúne com Merkel e Seehofer no domingo para discutir uma solução para a crise migratória.