Polícia e traficantes voltam a trocar tiros na Rocinha

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 22 de setembro de 2004 as 10:20, por: cdb

Traficantes da Rocinha voltaram a trocar tiros com policiais do 23º BPM (Leblon), que começaram uma operação na favela na manhã desta quarta-feira. Na terça, eles também atiraram em policiais que tomavam conta de um dos depósitos de gás do comerciante Gonçalo Waldemar Evangelista. O confronto nesta manhã assustou motoristas que passavam pelo Túnel Zuzu-Angel. Alguns voltaram de marcha a ré pela Auto-Estrada Lagoa-Barra e pelo túnel, que ficou fechado por três minutos. Os criminosos atiraram contra os policiais uma bomba de fabricação caseira, que não chegou a explodir por causa de um defeito no pavio.

A Polícia Militar reforçou a segurança na Rocinha com 140 homens após a expulsão de Gonçalo Waldemar pelo tráfico. Os policiais militares retiraram do muro do depósito de gás e de outros imóveis do comerciante a inscrição da facção criminosa pichada pela quadrilha de traficantes. Na favela, moradores não falam sobre o comerciante e sua suposta ligação com o tráfico de drogas.

Na principal rua do Largo do Boiadeiro, dentro da favela da Rocinha, dez botijões de gás estavam à venda. Segundo os policiais, é normal a comercialização das mercadorias nas ruas e becos. Moradores que não se identificaram confirmaram que ontem o preço do botijão na favela subiu para R$ 45, R$ 12 a mais que o valor cobrado no mercado.

Os policiais estão posicionados principalmente próximo aos depósitos de gás, para evitar que os traficantes ocupem os locais. Os outros imóveis que seriam de Waldemar, segundo Braga, não estão protegidos porque o comerciante não soube informar a localização exata deles.

Na tarde de terça, uma operação da Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD) estourou seis depósitos clandestinos na Rocinha – inclusive o do comerciante Gonçalo Waldemar – que funcionavam sem autorização do Governo federal. e apreendeu 88 botijões foram apreendidos e entregues para a Agência Nacional de Petróleo (ANP).