Polícia dos EUA faz apelo a testemunha do atirador

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 22 de outubro de 2002 as 01:05, por: cdb

A polícia americana fez nesta segunda-feira um apelo para que uma pessoa que entrou em contato com os investigadores para falar sobre os crimes do atirador que está agindo na área de Washington volte a ligar.

O coordenador das investigações sobre o atirador, Charles Moose, disse que gostaria que a pessoa contatasse novamente a polícia, porque da primeira vez a qualidade do som da ligação foi muito ruim.

“A pessoa que você chamou não foi capaz de ouvir tudo o que você disse. O áudio não estava claro e queremos esclarecer as coisas. Ligue de novo para que possamos entender claramente”, disse Moose, em uma mensagem dirigida à pessoa, que não foi identificada.

Aparentemente, a mensagem foi dirigida a alguém que deixou uma nota e um número de telefone perto do local do último ataque do atirador, que já matou nove pessoas e feriu três na área de Washington.

‘No lugar errado’

Mais cedo, a polícia havia prendido dois homens que, supostamente, teriam relação com as ações do atirador.

As redes de TV americanas informaram que um homem foi detido quando usava uma cabine de telefone pública perto de um posto de gasolina vizinho à cidade de Richmond, no estado da Virgínia. O segundo homem foi detido em outro lugar, não revelado, logo depois. A polícia também cercou e removeu um furgão branco encontrado no local.

No entanto, o que parecia ser um desenvolvimento significativo das investigações sobre o atirador aparentemente foi um falso alarme. Um porta-voz da polícia disse que nenhum processo foi aberto contra os dois homens e que não foi descoberta nenhuma relação entre eles e os crimes do atirador.

Um policial disse à agência de notícias Associated Press que que eles eram imigrantes ilegais do México e de Guatemala que simplesmente estavam “no lugar errado, na hora errada”.

Muitos das ações do atirador ocorreram perto de postos de gasolina, e algumas testemunhas falaram ter visto um furgão branco perto do local onde ocorreram algumas das ações.