Polícia de São Paulo ganha divisão contra cibercrimes

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 5 de outubro de 2001 as 15:48, por: cdb

O governo de São Paulo anunciou a criação de uma divisão da polícia para específica para atender a necessidade de investigação de crimes ainda sem legislação específica, como uso indevido da Internet, pirataria e falsificações. A Divisão de Investigações Gerais (DIG), ligada à Polícia Civil, trabalhará com quatro novas delegacias especializadas.

Uma delas, a Delegacia de Bens Imateriais vai combater os crimes de pirataria, ou seja, todos os tipos de delitos contra a propriedade industrial, desde falsificação de roupas até cópias indevidas de software. A Delegacia de Crimes Contra a Fé Pública e Roubo de Medicamentos, por sua vez, combaterá crimes como falsificação de documentos ou assinaturas e também os roubos, furtos ou desvios de medicamentos.

Já a Delegacia de Estelionatos vai retirar esta atribuição dos distritos para possibilitar a criação de um banco de dados centralizado, que permita o aumento da agilidade e eficiência no combate a esse tipo de crime. E a divisão de Delitos Praticados por Meios Eletrônicos será uma delegacia especializada no combate aos crimes praticados por hackers que usam a Internet para o desvio de recursos financeiros e informações, envio de vírus de computador ou de ameaças via e-mail, entre outros delitos eletrônicos.

As novas delegacias funcionarão na sede do DEIC – na Zona Norte da capital paulista – e contarão cada uma com 14 policiais, sendo dois delegados, dois escrivães e dez investigadores, que serão remanejados de outros departamentos da Polícia Civil.

Segundo o governador do Estado, Geraldo Alckmin, a reestruturação da Polícia é uma mudança reivindicada pela própria corporação. O governador destacou que com esta mudança a Polícia de São Paulo passa a estar mais apta para o combate aos novos tipos de delitos.