Polícia apura desvios de R$ 32 milhões em obra do Minha Casa Minha Vida em Roraima

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 28 de setembro de 2017 as 11:59, por: cdb

Segundo a PF, durante a investigação “foi identificado o desvio de R$ 32 milhões dos cofres públicos, tendo como origem o superfaturamento na aquisição da Fazenda Recreio

Por Redação, com ABr – de Brasília:

Com o objetivo de investigar organização criminosa acusada de peculato, lavagem de dinheiro e desvios de verbas públicas, a Polícia Federal (PF) em Roraima, em conjunto com a Receita Federal, deflagrou a Operação Anel de Giges, na manhã desta quinta-feira. Foram cumpridos 17 mandados judiciais, sendo nove de busca e apreensão e oito de condução coercitiva (quando a pessoa é levada para a delegacia a fim de prestar depoimento e, em seguida, liberada).

PF apura desvios de R$ 32 milhões em obra do Minha Casa Minha Vida em Roraima

Segundo a PF, durante a investigação “foi identificado o desvio de R$ 32 milhões dos cofres públicos; tendo como origem o superfaturamento na aquisição da Fazenda Recreio, localizada em Boa Vista; e na construção do empreendimento Vila Jardim, do projeto Minha Casa Minha Vida no bairro Cidade Satélite, na capital de Roraima”.

São investigadas ainda, de acordo com a PF, as transações decorrentes da venda da fazenda para a construção do empreendimento; bem como a fiscalização e aprovação do financiamento pela Caixa Econômica Federal.

Os mandados

Os mandados foram cumpridos em endereços em Boa Vista, Belo Horizonte e Brasília. São apuradas suspeitas de crimes de peculato; lavagem de dinheiro e organização criminosa envolvendo a Fazenda Recreio.

Anel de Giges, nome da operação, segundo a PF, é uma referência à citação em um dos livros da obra A República, de Platão; que aborda o tema justiça . “O Anel de Giges permite ao seu portador que fique invisível e cometa ilícitos sem consequências”. De acordo com a PF.