Polícia apreende menor suspeito de matar médico no Rio

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 21 de maio de 2015 as 11:17, por: cdb
As bicicletas estão sendo encaminhados para a Delegacia de Homicídios
As bicicletas estão sendo encaminhados para a Delegacia de Homicídios

 

Policiais da Delegacia de Homicídio apreenderam na manhã desta quinta-feira, em Manguinhos, na Zona Norte da cidade, um menor de 16 anos suspeito de ser um dos participantes no assassinato do médico Jaime Gold, de 57 anos, morto a facadas quando andava de bicicleta na Lagoa Rodrigo de Freitas, na Zona Sul da cidade.

Segundo informações da polícia, o menor tem pelo menos 15 passagens pela polícia, sendo cinco por uso de armas brancas (faca, martelo, navalha). A policia também aprendeu bicicletas que teriam sido usadas pelos menores. Não se sabe ainda se a bicicleta do médico que foi roubada após o crime estava entre elas.

As bicicletas estão sendo encaminhados para a Delegacia de Homicídios, localizada na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, para onde também foi encaminhado o menor.

O corpo do médico Jaime Gold foi velado no Cemitério Israelita do Caju, na zona portuária da cidade, e foi enterrado em cerimônia restrita a familiares e amigos na manhã desta quinta-feira. Gold era cardiologista e professor de medicina na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Mulher esfaqueada

Durante um assalto em São Conrado, na Zona Sul do Rio, uma mulher foi esfaqueada  no final da tarde desta quarta-feira. Ela foi atingida nas duas pernas, mas passa bem.Lorena Tristão, de 31 anos Formada em relações internacionais,  contou por telefone para a equipe do Bom Dia Rio que foi atacada por um homem de aproximadamente 30 anos.

– Ele me derrubou no chão e continuou tentando pegar o meu celular, que estava na minha mão. Eu fiquei reagindo e nisso ele cortou a minha calça e ficou tentando puxar e eu, como estava no chão, fiquei tentando me livrar dele. Eu estava mandando um e-mail na hora que eu entrei na passagem subterrânea. Era um cara só, mais ou menos de 30 anos”, disse Lorena.

A polícia militar informou que o 23º BPM foi acionado para essa ocorrência, mas quando chegou ao local não havia mais nada.

 

Protesto de ciclistas

Protesto da organização Rio de Paz foi organizado para chamar a atenção das autoridades para os índices de mortes violentas na cidade
Protesto da organização Rio de Paz foi organizado para chamar a atenção das autoridades para os índices de mortes violentas na cidade

Um protesto pacífico, na tarde de quarta-feira, marcou o exato local onde o médico Jaime Gold foi esfaqueado na terça, quando andava de bicicleta em torno da Lagoa Rodrigo de Freitas, Zona Sul do Rio.

Cartazes alertando para o grande número de mortes violentas na cidade foram afixados nas grades, ao lado de uma bicicleta pintada de preto e de um buquê de flores. O chão foi pintado com tinta vermelha, que se misturava à mancha ainda visível do sangue perdido pelo médico, que chegou a ser socorrido, mas acabou morrendo nesta quarta-feira.

O protesto foi organizado pelo ativista Antônio Carlos Costa, da organização Rio de Paz, para chamar a atenção sobre os índices de mortes violentas na cidade. “Estamos aqui para expressar solidariedade à família e protestar contra a interrupção de uma vida. Precisamos chorar a morte que ocorre aqui e na favela”, disse Antônio Carlos.

A cena chamava atenção de quem passava pela ciclovia da Lagoa. A maioria demonstrava revolta com a morte e pedia mais segurança. “Eu me sinto triste. O Rio de Janeiro não merece isso. A gente fica refém de um trânsito que não tem locomoção e não pode andar de bicicleta, porque é esfaqueada. Não tem horário. Eu me sinto totalmente insegura”, desabafou a médica Celina Acra.

Para o personal trainer Carlos Eduardo Brasil de Oliveira, que usa a ciclovia para ir ao trabalho, o crime não impedirá que ele continue a usar o trecho. “Nunca fui de ficar muito preocupado, porque não achava que seria alvo. Mas não dá para passar em branco e fingir que nada aconteceu. Temos de estar mais atentos e cobrar solução dos responsáveis, porque não é a primeira vez que ocorre.”

Por causa do crime, o secretário de Segurança do Estado, José Mariano Beltrame, decidiu trocar o comando do 23º Batalhão de Polícia Militar, responsável pelo policiamento na área, que é muito procurada por turistas e onde ocorrerão as provas de remo das Olimpíadas em 2016.