PMDB reclama do tratamento do PT

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de fevereiro de 2003 as 15:15, por: cdb

Parlamentares do PMDB, partido que o governo deseja atrair para sua base parlamentar, reclamaram do tratamento recebido do PT ao longo desta semana. O líder do partido, deputado Eunício Oliveira (PMDB-CE), não foi consultado e, por isso, o PMDB ficou fora dos cargos de presidente e relator para as comissões especiais que vão discutir informalmente as reformas.

Os peemedebistas apontaram falta de habilidade do PT nas negociações. As comissões especiais das reformas da Previdência e Tributária ficarão sob o comando do PFL e PT. A reforma política terá como presidente o deputado Alexandre Cardoso (RJ), do PSB, partido contrário à mudança da legislação político-partidário. O PFL, defensor da reforma política, deverá ficar com a relatoria.

A exclusão do PMDB para cargos de destaque nas comissões causou inconformismo. “É uma atitude de quem não quer o entendimento”, resumiu o deputado Mendes Ribeiro (PMDB-RS), acrescentando serem comissões de “brincadeirinha”, pois quando as reformas chegarem ao Congresso, outras comissões especiais terão de ser criadas, conforme manda o regimento.

Na avaliação de alguns deputados de oposição, o PT teria criado as comissões especiais informais por falta de proposta concreta e como forma de preencher o espaço vazio no Congresso. Pelo cronograma do governo, as reformas serão enviadas no final de abril e início de maio. “Não quero pensar que seja assim: quando não quer resolver alguma coisa cria-se uma comissão”, disse Ribeiro.