PM do Rio procura bandido que matou um cabo na Rocinha

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quarta-feira, 4 de abril de 2012 as 11:12, por: cdb
Polícia Militar
Cabo da Polícia Militar é morto na Favela da Rocinha

A Polícia Militar já identificou o suspeito de matar o cabo da PM Rodrigo Alves Cavalcante, de 32 anos, do Batatlhão de Choque (BPChoque). Ele foi morto no início da madrugada desta quarta-feira, na Favela da Rocinha, em São Conrado, Zona Sul. De acordo com a PM, Edilson Tenório de Araújo abandonou uma mochila com documentos e munição 9 milímetros, a mesma que matou o militar. O suspeito ainda conta com duas passagens por tráfico de drogas.

– Os policiais contaram que o cabo Rodrigo foi abordar um homem em atitude suspeita e mandou que ele parasse. O suspeito correu e atirou para trás. Foi quando o policial foi atingido. O homem fugiu e abandonou a mochila. Não foi uma ofensiva contra a Polícia Militar, o bandido tentou se proteger – disse o major Edson Santos, coordenador de policiamento da comunidade.

O cabo foi baleado na axila durante um patrulhamento na comunidade que está ocupada pelas forças de segurança desde novembro do ano passado, após a prisão do então chefe do tráfico de drogas Antonio Francisco Bonfim Lopes, o Nem. Socorrido por colegas no Hospital Miguel Couto, na Gávea, o PM não resisitiu ao ferimento. O assassinato ocorreu na mesma semana em que a Polícia Militar anunciou uma nova estratégia para a ocupação da Rocinha, que vem sofrendo com confrontos pela disputa dos pontos de venda de drogas do local. É a nona morte na comunidade nos últimos 39 dias.

Pelo menos 150 policiais do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), do Batalhão de Choque e da Coordenadoria de Inteligência da Polícia Militar estão realizando desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira uma operação na Favela da Rocinha, na Zona Sul do Rio, para tentar prender o autor da morte do cabo Rodrigo.

Depois de uma série de assassinatos ocorrida recentemente, a polícia resolveu duplicar o efetivo da PM na comunidade, para 350 homens na semana passada. Nesta semana, o major Edson Santos assumiu o posto de coordenador do policiamento da favela e anunciou que, até a próxima sexta-feira, o efetivo total chegará a 700 policiais.