Plano Emergencial de Segurança Pública aponta ações para diminuir criminalidade

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 23 de março de 2012 as 15:23, por: cdb

Assim como toda cidade de médio e grande porte em crescente desenvolvimento, Sete lagoas tem registrado um aumento no uso de drogas e consequentemente na criminalidade. Com fortes intervenções ao combate ao crime, Sete Lagoas registrou um crescimento de 20% na criminalidade, enquanto a cidade de Vespasiano, por exemplo, anotou crescimento de 80%. Para manter os índices sob controle, a Prefeitura de Sete Lagoas encomendou um estudo para o sociólogo Luiz Flávio Sapori, um dos mais conceituados especialistas do Estado em segurança pública. A partir dos estudos, a Prefeitura de Sete Lagoas/Secretaria de Assistência Social desenvolveu o Plano Emergencial de Segurança Pública.

O documento aponta para ações que tem como objetivo reduzir os índices de criminalidade no município. Uma delas é a criação de uma coordenadoria municipal de Defesa Social que atuaria junto com o gabinete de gestão integrada do município. Ambos trabalhariam para unir os setores da sociedade civil e militar, em busca de dados e informações que possam reverter a situação do tráfico e da violência na cidade.

Uma comissão com representantes das Polícias Militar, Civil, comunidades terapêuticas, Sumad, Saúde e Assistência Social, sob coordenação da secretária, Cidinha Canabrava, elaborou estudos sobre a criminalidade no município, para embasar o sociólogo na preparação do plano de segurança. O sociólogo afirmou que dados levantados dentro de sua pesquisa mostraram que Sete Lagoas, assim como outras cidades, viveu um 2011 marcado pelo aumento no número de homicídios e crimes, chegando a um avanço de 20%”. Número relativamente baixo em comparação a cidades do entorno como Vespasiano que teve um crescimento avaliado em 80%.

Na ocasião, o prefeito Mário Márcio Maroca disse que o Executivo irá analisar os dados e juntamente com as demais pessoas envolvidas irá viabilizar as ações para reduzir o índice de homicídios e violência na cidade, “A gente sabe que é muito complicado a prefeitura dar conta disso tudo sozinha, mas com a coordenadoria fica mais fácil agir em cima do problema”.

Com o Plano Emergencial de Segurança Pública em mãos, a prefeitura vai nomear uma comissão para articular junto aos setores envolvidos a operacionalização do projeto. Cerca de 70 pessoas da vários segmentos participaram da reunião de apresentação do documento no gabinete do prefeito na quinta feira, 15.

AÇÕES A SEREM EXECUTADAS

AÇÃO 1 – Organização de uma Força Tarefa para enfrentar exclusivamente os crimes do tráfico do crack e dos homicídios.

AÇÃO 2 – Elaboração e implementação do Programa Municipal de Enfrentamento ao Crack.

AÇÃO 3 – Criação da Coordenadoria Municipal de Defesa Social com atuação direta e vinculação junto ao gabinete do Prefeito.

AÇÃO 4 – Criação do Gabinete Gestão Integrada Municipal (GGIM), atendendo ao Programa Nacional de Segurança com Cidadania (Pronasci).