Planalto nega saída de Aloizio Mercadante da Casa Civil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 11 de setembro de 2015 as 13:55, por: cdb

Por Redação, com Reuters e ABr – de Brasília:

O Palácio do Planalto negou “com veemência” nesta sexta-feira a informação, publicada pelo jornal Folha de S.Paulo, de que a presidenta Dilma Rousseff buscaria fora do PT um nome para substituir o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante.

Aloízio Mercadante
Em nota oficial, o governo afirmou que a reportagem sobre Mercadante “não condiz com a verdade”

Em nota divulgada pela Secretaria de Imprensa da Presidência da República, o governo afirma que a reportagem “não condiz com a verdade” e que Mercadante “detém toda confiança” de Dilma e “mantém um trabalho fundamental” para a gestão do governo e na construção da estabilidade política.

De acordo com o jornal paulista, a presidenta tomaria a medida com a expectativa de provocar impacto político para tentar sair da crise que atinge o governo, em meio ao baixo crescimento e deterioração fiscal.

Mercadante, no entanto, não sairia do governo e seria transferido para outro ministério, segundo a Folha, na reforma administrativa que o governo vai realizar em breve como uma das medidas para ajustar as contas públicas.

O governo anunciou em agosto que vai cortar 10 ministérios e reduzir o número de cargos comissionados. O anúncio da reforma é esperado para os próximos dias.

Inquérito

No dia 6 de setembro, o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, divulgou nota para dizer que não tem conhecimento oficial da abertura de inquérito no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre ele. Informações divulgadas pela imprensa neste fim de semana indicam que o ministro do STF Teori Zavaski aceitou o pedido da Procuradoria-Geral da República para que Mercadante, o ministro da Comunicação Social, Edinho Silva, e o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP) sejam investigados em relação a denúncias feitas em delação premiada pelo dono da empreiteira UTC, Ricardo Pessoa. A assessoria de imprensa do STF não confirma a abertura do inquérito, que pode estar em sigilo.