Planalto faz recomendação a mulheres que vão ao Oriente Médio com Lula

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado segunda-feira, 1 de dezembro de 2003 as 22:37, por: cdb

A viagem presidencial ao Oriente Médio, além do significado histórico, é a primeira vez que um presidente brasileiro vai à região, desde a década de 1870, quando Dom Pedro II esteve lá, também é vista com cautela pelos organizadores da comitiva.

Sem recomendações oficiais ou documentadas, a maior preocupação é com as mulheres que estarão nos países árabes acompanhando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O Palácio do Planalto e o Itamaraty não chegam a propor o uso da burca, mas avisam que todas devem trajar roupas e cores discretas, dada a diferença de costumes.

Inicialmente, o governo brasileiro preferiria que a comitiva fosse formada exclusivamente por homens, mas acabou concluindo que não haveria problema em relação à presença de mulheres na visita de Lula aos cinco países árabes (Egito, Líbia, Síria, Emirados Árabes e Líbano).

Tanto é que a primeira dama, dona Marisa, também vai. Mas todas elas foram avisadas que haverá lugares em que, eventualmente, não poderão entrar.

De forma geral, a recomendação é para que se evite beber água que não seja mineral. O ideal seria se fosse água engarrafada. Segundo o Itamaraty, a rede sanitária, principalmente fora dos centros urbanos, é carente na região.

Há uma orientação especial em relação ao Egito. As gorjetas (Barhshish, em árabe) são institucionalizadas no país. Normalmente, são US$ 3 para o pessoal do hotel, US$ 3 para o guia e US$ 2 para o motorista.