Pistácios ‘reduzem riscos de problemas cardíacos’, diz estudo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 1 de maio de 2007 as 12:40, por: cdb

Um estudo da Universidade Estadual Penn, dos Estados Unidos, afirma que comer um punhado de pistácios por dia pode baixar a taxa de colesterol e suprir a necessidade de antioxidantes normalmente encontrada em verduras e frutas de cores vivas. “Comer entre 40 e 85 gramas de pistácio por dia diminuiu o risco de doenças cardiovasculares, por diminuir significativamente os níveis de colesterol (LDL) e reduziu significantemente as proporções de lipoproteínas”, de acordo com a pesquisador Sarah K. Gebauer, que apresentou o estudo no encontro Biologia Experimental, em Washington, nesta segunda-feira.

Os participantes do estudo passaram duas semanas se alimentando de acordo com a Dieta Média Norte-americana, que consiste de 35% de gorduras e 11% de gorduras saturadas. Em seguida, testaram três dietas diferentes durante quatro semanas, sempre com um intervalo de duas semanas entre elas.

As três dietas são variantes de um regime popular para a redução de colesterol: uma sem pistácios, com direito a 25% de gordura e 8% de gorduras saturadas; a segunda com 42 gramas de pistácios por dia, além de 30% de gorduras e 8% de gorduras saturadas; e por último, 85 gramas de pistácios por dia, além de 34% de gorduras e 8% de gorduras saturadas. Os exames de sangue então verificaram os níveis de colesterol no sangue de cada participante, após cada dieta.

O resultado foi que as 42 gramas de pistácios reduziram o volume total de colesterol no sangue em 8,4%, e o chamado colesterol ruim (LDL), em 11,6%. O estudo mostrou ainda que as lipoproteínas de densidade não-alta (Não-HDL) caíram em 11,2%. Esse tipo de lipoproteínas é considerado um indicador confiável sobre os riscos de doenças cardiovasculares.

– Ficamos satisfeitos em constatar uma diferença entre as duas doses de pistácios sobre a lipoproteína, porque parece que são os pistácios que estão provocando os efeitos e que eles atuam de forma dependente da dose –  disse Gebauer.

Os pesquisadores analisaram ainda os impactos das dietas sobre os níveis de LDL oxidizado e de antioxidantes no sangue.

– Queríamos ver se o aumento dos níveis de antioxidantes provocado pelos pistácios poderia reduzir inflamações e oxidação –  afirmou Gebauer. Os pistácios contêm mais luteína (normalmente encontrada em verduras escuras), beta caroteno (formador da vitamina A) e gama tocoferol (a principal forma de vitamina E) do que outras nozes.