Piso para contribuição de inativos pode ter apoio da Força Sindical

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 10 de abril de 2003 as 13:02, por: cdb

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva (Paulinho), disse que o ministro da Previdência Social, Ricardo Berzoini, apresentou nesta quinta-feira, na reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, uma proposta de instituição de uma contribuição dos inativos para os servidores públicos que ganham benefícios acima de R$ 2.400. Este também seria o teto de benefícios do INSS que hoje está em R$ 1.561, e que com, o reajuste previsto de 18%, passará para cerca de R$ 1.830 a partir de junho.

Em princípio, a Força Sindical era contra a cobrança dos inativos, segundo explicou Paulinho. Mas com a instituição de um piso, como proposto por Berzoini, a questão voltará a ser discutida e tem chances de contar com o apoio do sindicato. Segundo Paulinho, a Força Sindical lutará pela volta da aposentadoria especial para os trabalhadores submetidos a condições “penosas e perigosas” de trabalho, como por exemplo os caminhoneiros e motoristas de ônibus. “Queremos a volta da aposentaria por insalubridade”, disse o sindicalista.

Paulinho afirmou que essa aposentadoria, extinta na reforma previdenciária anterior, previa menos tempo de contribuição, tanto para o homem (30 anos) quanto para a mulher (25 anos).

Paulinho defendeu o fim do imposto sindical e da unicidade (possibilidade da existência de sindicatos de uma mesma categoria em diversos municípios), desde que seja estabelecido um período de transição e o que governo permita a criação de contratos coletivos de trabalho, representação sindical por empresa e sindicatos por ramos de atividade nacionais.