PFL pode atrasar votação das MP’s até depois da Páscoa

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado terça-feira, 8 de abril de 2003 as 13:32, por: cdb

O líder do PFL na Câmara, José Carlos Aleluia (BA), confirmou que a pauta de votação da casa poderá ficar obstruída até depois da Semana Santa, caso não haja um acordo em torno das relatorias das medidas provisórias. Aleluia garantiu que o PFL está disposto a colaborar com as votações da casa, mas classificou o governo de arrogante.

“Nós viemos para a reunião de líderes, mas nos surpreendemos com a intenção da base aliada de se apropriar de todas as relatorias das medidas provisórias, enquanto o regimento prevê que seja feito um rodízio entre todos os partidos”.

Durante o governo passado, o acordo feito pelos partidos da base (PMDB, PFL, PSDB e PB, atual PP, e, eventualmente, o PTB) definiu que só essas legendas indicariam relatores para as medidas provisórias. Apesar de ter a quarta maior bancada da casa na época, maior que a do PTB e PPB, o PT jamais relatou uma medida provisória.

O líder do PL na Câmara, deputado Bispo Rodrigues (RJ), defendeu, durante a reunião de líderes com o presidente da casa, João Paulo, que só os partidos da base do atual governo pudessem indicar relatores.

Caso a situação não seja contornada, fica impossível votar as sete MPs que já estão trancando a pauta, atrasando a votação em segundo turno da emenda constitucional do sistema financeiro e os projetos de segurança.