PFL arquiva processo de expulsão de ACM

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 28 de novembro de 2003 as 09:46, por: cdb

A Comissão Executiva Nacional do PFL arquivou nesta quinta-feira o processo de expulsão do senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), apresentado pelo senador Jorge Bornhausen (SC), depois de ser acusado por ACM de “roubar o partido”.

O relator do processo, deputado Gilberto Kassab (SP), considerou a carta elaborada por ACM na semana passada, reconhecendo a “vida pública proba e honesta” de Bornhausen, como uma “retratação explícita”.

-O caso foi tão bem resolvido que não existiu- afirmou o senador José Jorge (PE), primeiro vice-presidente do PFL, explicando a decisão de não registrar o episódio nas atas do partido.

Ele estava exercendo interinamente a presidência do PFL até ontem. Bornhausen havia pedido licença para que a Executiva julgasse ACM “com isenção”. Com o arquivamento, ele reassumiu o cargo nesta quinta-feira.

A carta de ACM foi enviada a Kassab na sexta-feira passada. Três dias antes, o baiano havia afirmado, em uma discussão, que Bornhausen estava privilegiando um grupo político do partido em detrimento de outro, o que ele definia como “roubo”.

Os termos da carta de ACM foram negociados com o líder do PFL no Senado, José Agripino (RN) e Marco Maciel (PFL-PE). Os dois a submeteram ao presidente do partido antes de seu envio a Kassab.