PF prende grupo suspeito de planejar atos terroristas no Brasil

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 21 de julho de 2016 as 12:29, por: cdb

As prisões, conforme o ministro, ocorreram em 10 Estados. De acordo com o ministro, o grupo se comunicava por aplicativos de trocas de mensagens

Por Redação, com ABr – de Brasília/São Paulo:

 

A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira 10 pessoas suspeitas de planejarem atos terroristas no Brasil. As prisões ocorrem 15 dias antes do início da Olimpíada no Rio de Janeiro.

– Eles passaram de simples comentários sobre Estado Islâmico e terrorismo para atos preparatórios – disse o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, em entrevista à imprensa, sobre a operação policial que investiga possível participação de brasileiros em organização criminosa de alcance internacional, como uma célula do Estado Islâmico no país.

A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira 10 pessoas suspeitas de planejarem atos terroristas no Brasil
A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira 10 pessoas suspeitas de planejarem atos terroristas no Brasil

As prisões, conforme o ministro, ocorreram em 10 estados e todos os detidos são brasileiros. De acordo com o ministro, o grupo se comunicava por aplicativos de trocas de mensagens.

Na entrevista, Alexandre de Moraes disse que se trata de “uma célula amadora”.

Justiça 

As prisões foram autorizadas pela 14ª Vara Federal de Curitiba. Em nota, o juízo disse que a “Operação ‘Hashtag’, deflagrada pela Polícia Federal na manhã desta quinta-feira, investiga possível participação de brasileiros em organização criminosa de alcance internacional, como uma célula do Estado Islâmico no país. Foram expedidos 12 mandados de prisão temporária por 30 dias podendo ser prorrogados por mais 30. Informações obtidas, dentre outras, a partir das quebras de sigilo de dados e telefônicos, revelaram indícios de que os investigados preconizam a intolerância racial, de gênero e religiosa, bem como o uso de armas e táticas de guerrilha para alcançar seus objetivos”.

Segundo o juízo, os artigos 3º da Lei 13.260, de 16 de março de 2016, que trata sobre terrorismo prevê como crime: “Promover, constituir, integrar ou prestar auxílio, pessoalmente ou por interposta pessoa, a organização terrorista” e artigo 5º: “Realizar atos preparatórios de terrorismo com o propósito inequívoco de consumar tal delito”.

– Para assegurar o êxito da operação e eventual realização de novas fases, os nomes dos presos, atualmente sob custódia da Polícia Federal, não serão divulgados neste momento. O processo tramita em segredo de Justiça – diz a nota.

Michel Temer

O presidente Michel Temer foi informado na quarta-feira da operação da Polícia Federal.

Na manhã desta quinta, Temer se reuniu no Palácio do Planalto com os ministros da Justiça, Alexandre de Moraes; do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Sérgio Etchegoyen; e o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello Coimbra; para acompanhar a operação antiterrorista, com cooperação de diversas agências internacionais de inteligência.

Mortes no trânsito

Dados do Sistema de Informações Gerenciais de Acidentes de Trânsito do Estado de São Paulo (Infosiga–SP), mostram que em todo o estado foram registradas 2.861 mortes no primeiro semestre de 2016 contra 3.094 no mesmo período de 2015, o que representa uma redução de 8% ou 233 mortes a menos, em números absolutos.

De acordo com o governo estadual, os números colaboram com a meta de reduzir pela metade o total de mortos no trânsito no Estado de São Paulo até 2020. Lançado em fevereiro, o relatório Infosiga-SP traz informações mensais sobre óbitos e acidentes com vítimas em consequência de ocorrências no trânsito.

A publicação refere-se sempre ao mês anterior, com dados de acidentes nos 645 municípios. O documento apresenta dados relativos ao perfil da vítima, como gênero e faixa etária, além de tipos de acidentes.

Segundo os dados do Infosiga, do total de óbitos de acidentes de trânsito ocorridos em junho de 2016, 80% envolveram homens, 19% mulheres e 1% não informaram o sexo.

Quando avaliada a faixa etária, 4% das vítimas tinham até 17 anos;  27% estavam entre os 18 e 29 anos, 17% entre os 30 aos 39; 15% entre os 40 os 49 anos; 24% entre 50 e 69 anos; 10% tinham acima de 70 anos e 3% das vítimas não tiveram a idade especificada.

Já entre os motivos 35% (164) foram provocados por colisões, 32% (148) atropelamentos e 14% (64) foram choque. A maioria das vítimas foram pedestres (31%) e motociclistas (27%). A pesquisa indica que 10% dos acidentes foram motivados por outros eventos e 9% foram motivos não especificados.

Para auxiliar na diminuição dos números de óbitos e acidentes de trânsito, o governo estadual assinou convênios com 15 municípios (Amparo, Atibaia, Barretos, Catanduva, Fernandópolis, Itanhaém, Jacareí, Piedade, Praia Grande, Registro, Ribeirão Preto, São Carlos, São José do Rio Preto, São Roque e Sorocaba) com investimentos de R$ 10,5 milhões em recursos para iniciativas voltadas para fiscalização, sinalização e educação para o trânsito.

Esses municípios foram escolhidos por terem maior número de óbitos por 100 mil habitantes. Também estão sendo feitas nestas cidades visitas de diagnóstico para elaboração de planos de ação para melhorar a infraestrutura, a fiscalização e a conscientização da população e, assim, diminuir o número de acidentes e de óbitos em decorrência de acidentes de trânsito.

Além disso, estão sendo desenvolvidas ações de treinamento e capacitação para profissionais da saúde das redes de atendimento de emergência e hospitais gerais dos 15 municípios conveniados. A capacitação visa reabilitar pacientes em fase inicial de tratamento de lesões traumáticas. Alguns diagnósticos serão priorizados neste atendimento, entre eles fraturas de vértebras, do crânio e politraumatismo.

A meta de redução de 50% nas mortes no trânsito até 2020 está sendo coordenada pelo Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, lançado em agosto de 2015. O programa é inspirado na Década de Ação pela Segurança Viária estabelecida pela Organização das Nações Unidas (ONU) para o período de 2011 a 2020.

O comitê gestor é coordenado pela Secretaria de Governo e composto por mais oito Secretarias de Estado: Casa Civil, Segurança Pública, Logística e Transportes, Saúde, Direitos da Pessoa com Deficiência, Educação, Transportes Metropolitanos, Planejamento e Gestão, por meio do Departamento Estadual de Trânsito, Detran-SP, responsáveis por construir um conjunto de políticas públicas para a redução de vítimas de acidentes de trânsito no Estado.