PF investiga ligação de árabes brasileiros com milionário terrorista

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 13 de setembro de 2001 as 13:08, por: cdb

Os órgãos internacionais de informação consideram a região uma rota de trânsito de terroristas e os agentes federais estão vasculhando toda a cidade, desde terça-feira, tentando identificar autores de explosões de fogos de artifício, em uma possível comemoração aos ataques em Nova York e Washington.

Segundo a Polícia Federal, o foguetório durou apenas alguns segundos, mas foi o suficiente para ser visto e ouvido por centenas de pessoas. Os palestinos e seus descendentes são maioria na comunidade.

Em uma nota oficial, a comunidade árabe-palestina de Chuí repudiou o atentado terrorista nos Estados Unidos. Mas as rádios e TVs do Uruguai divulgaram que, além dos fogos, aconteceu até uma carreata e bandeiraço na cidade para comemorar as milhares de mortes de norte-americanos.

O prefeito Mohamad Kassen Jomaa estava em Porto Alegre, na terça-feira, tratando de assuntos pessoais e repudiou os ataques ocorridos em território norte-americano.

Entretanto, de acordo com informações do serviço de inteligência uruguaia, relatadas no Inquérito Policial 715/00 da Superintendência Regional da Policia Federal no Rio Grande do Sul, o prefeito “seria um representante do terrorista Osama bin Laden” na América do Sul.

O documento confidencial foi obtido pelo jornal Zero Hora e dá conta de que Jomaa também mantém ligações com máfias palestinas em São Paulo.

Existe inclusive uma informação de que Jomaa construiria um templo de meditações em Chuí, financiado por Osama bin Laden.

O prefeito, do Partido da Frente Liberal (PFL), nega todas as acusações.