PF cede delegado para colaborar com CPI da Crise no Setor Aéreo do Senado

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 17 de maio de 2007 as 21:00, por: cdb

O delegado da Polícia Federal Renato Sayão, responsável pelo inquérito policial que investiga as causas do acidente com o Boeing da Gol, que resultou na morte de 154 pessoas em setembro do ano passado, vai assessorar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Senado que investiga a crise no setor aéreo.

O delegado foi colocado à disposição da CPI pelo diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Lacerda, que nesta quinta-feira recebeu o presidente e o relator da comissão, senadores Tião Viana (PT-AC) e Demóstenes Torres (DEM-GO), respectivamente. Os parlamentares foram à PF pedir oficialmente as informações sobre a crise que atingiu o setor aéreo após o maior desastre da história da aviação no país.

– Solicitamos as informações que digam respeito à crise, sobre o possível risco que corre o cidadão brasileiro ao entrar numa aeronave, sobre as razões do acidente da Gol e se há irregularidades no sistema aeroportuário – , informou Tião Viana.

Os senadores também foram ao Ministério Público Federal e à Controladoria-Geral da União (CGU) para pedir auxílio aos trabalhos da comissão.

Na próxima segunda-feira, os representantes da CPI do Senado se encontrarão com o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito.

– Com isso, falta agora o TCU [Tribunal de Contas da União], mas tenho certeza que o tribunal também cederá um auditor para que façamos uma grande investigação a fim de apurar as responsabilidades e apontar soluções -, disse Demóstenes Torres.

Os dois senadores conversaram ainda com os deputados Marcelo Castro (PMDB-PI) e Marco Maia (PT-RS), respectivamente presidente e relator da CPI da Câmara que investiga a crise do setor aéreo. Demóstenes defendeu que a CPI do Senado “economize etapas”, evitando investigar fatos já apurados pela Polícia Federal e pela Câmara dos Deputados.

O relator da CPI no Senado questionou a necessidade de que os pilotos do jato executivo Legacy, que se chocou com o Boeing da Gol, sejam convocados.