Petróleo bate novo recorde e chega a US$ 53 nos EUA

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado quinta-feira, 7 de outubro de 2004 as 21:13, por: cdb

O preço do barril do petróleo encerrou mais um dia batendo recordes de alta nos mercados de Nova York e Londres.

As cotações foram puxadas para cima em meio às preocupações com a forte demanda e com possíveis interrupções no fornecimento do produto.

Nos Estados Unidos, o valor do barril do petróleo cru superou os US$ 53, o maior nível desde que contratos futuros foram introduzidos há 21 anos, mas recuou para US$ 52,67.

Em Londres, o barril do tipo Brent chegou a ser negociado a US$ 49,20 e fechou em US$ 48,90.

Economia

O novo aumento dos preços foi associado à produção reduzida dos Estados Unidos e à greve dos funcionários do setor petrolífero na Nigéria. A paralisação surpresa no país deve durar dois dias.

Segundo especialistas, o rápido crescimento da economia chinesa e a alta demanda dos Estados Unidos são vistos como fatores determinantes para o futuro da situação.

As preocupações com a queda na produção americana devido ao furacão Ivan,
a segurança no Oriente Médio e a deterioração da situação do Iraque também colaboram para a manutenção dos altos preços do petróleo.

Na quarta-feira, o governo americano disse que podem ser necessários 90 dias para a produção voltar ao normal nas sete plataformas que foram destruídas pelo furacão Ivan.

O preço do barril de petróleo cru americano já cresceu 60% com relação ao final de 2003. A alta do petróleo tem preocupado economistas, que alertam para uma possível queda do crescimento do mercado global.

David Robinson, vice-diretor do Departamento de Pesquisa do FMI (Fundo Monetário Internacional), disse que a previsão do Fundo de que o crescimento global será de 4,3% em 2005 já está desatualizada.

Segundo Robinson, o FMI revisará os números, e a estimativa ficaria em 4% se fosse divulgada no momento. “Há claro riscos de queda de crescimento global por causa do aumento do preço do petróleo”, afirmou.