Petrobras: vazamento em duto despeja 7 mil litros de óleo na costa de Aracaju

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sexta-feira, 24 de abril de 2015 as 13:31, por: cdb
De acordo com a Petrobras, o vazamento no duto foi eliminado e equipes de mergulho permaneceram monitorando a área
De acordo com a Petrobras, o vazamento no duto foi eliminado e equipes de mergulho permaneceram monitorando a área

Um vazamento em um duto da Petrobras, que interliga as plataformas de produção PCM-5 e PCM-6, no campo de Camorim, na Bacia de Sergipe-Alagoas, despejou na quinta-feira no mar 7 mil litros de óleo e provocou a paralisação de quatro plataformas fixas, informaram a Agência Nacional do Petróleo e o sindicato dos petroleiros da região.

O vazamento aconteceu a cerca de 16 quilômetros da costa de Aracaju e já foi estancado, disse à Reuters o diretor do Sindipetro Alagoas/Sergipe, Stoessel Chagas, acrescentando que quatro plataformas tiveram sua produção interrompida.

As unidades paralisadas (PCM-5, PCM-6, PCM-8 e PCM-9) produzem juntas cerca de 400 barris por dia de petróleo e 60 mil metros cúbicos de gás natural, de acordo com dados mais recentes disponíveis no site da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

As unidades de produção, três delas desabitadas, devem voltar a produzir até sábado, segundo Chagas.

– Os pequenos vazamentos nessas plataformas são constantes, por falta de manutenção – declarou Chagas, explicando que a Petrobras precisou vedar o duto com equipamento chamado de braçadeira, no jargão do setor. “A gente brinca aqui que o número de braçadeiras é maior que a tubulação.”

A ANP avaliou o vazamento como de “pequeno porte” e afirmou que ele já foi estancado. A autarquia disse que mantém contato com a Marinha, que está acompanhando a dispersão da mancha de óleo por meio de sobrevoos de helicóptero.

– Como é de praxe, a ANP poderá abrir investigação de incidente, além de exigir que a operadora realize sua própria investigação e continuará acompanhando as operações de contenção e dispersão que estão sendo executadas pela operadora – disse a agência reguladora, em nota.

A Petrobras não se manifestou imediatamente.