Pesquisas não conseguem identificar favoritos nas eleições argentinas

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado sábado, 26 de abril de 2003 as 15:06, por: cdb

O jornal Página 12 foi ao fundo do tacho: ouviu todos os nove pesquisadores relevantes da Argentina para chegar à conclusão de que é simplesmente impossível dizer quais serão os dois candidatos que irão para o turno final da eleição presidencial, no mês que vem.

Sete dizem que o ex-presidente Carlos Menem será um dos finalistas, um o coloca em terceiro lugar e o nono afirma que está ainda disputando o segundo posto.

Todos acham que as chances de Elisa Carrió e de Adolfo Rodríguez Saá são pequenas, mas as próprias pesquisas divulgadas ontem recomendam cautela.

“Até os dois que vêm atrás, Carrió e Rodríguez Saá, têm chance”, diz Manuel Mora y Araujo. E, como diz Analía del Franco, da consultora Analogías, “qualquer dos três (líderes) pode ficar de fora”.

Além de Menem, os líderes são Néstor Kirchner, também peronista, e Ricardo López Murphy. Dos nove pesquisados, quatro acham muito timidamente que Menem e Kirchner serão os dois primeiros e um aposta em López Murphy e Kirchner. Quatro preferem a cautela de apontar empate tríplice.

Todos coincidem em ressaltar a importância das máquinas partidárias no dia da eleição e no controle da apuração. Se, de fato, for importante, os prejudicados serão principalmente Carrió e López Murphy cujas máquinas são raquíticas.