Pesquisadores de transgênicos estão com medo

Arquivado em: Arquivo-CdB
Publicado domingo, 21 de dezembro de 2003 as 23:38, por: cdb

Um recente ataque a instalações do laboratório de biotecnologia da Universidade Federal do rio Grande do sul levantou a questão: há algum movimento utilizando a violência contra os pesquisadores da área de transgenia no estado? A resposta, pelas informações levantadas até agora, é sim.

Na madrugada do dia 8 de novembro, um incêndio destruiu o Centro de Biotecnologia da UFRGS, no centro da Capital.  Pensava-se, inicialmente, que um curto-circuito ou alguma outra falha do tipo houvesse sido a causa, de acordo com o jornal Zero Hora. Mas a perícia, realizada por agentes da Polícia Federal, comprovou que o incêndio foi criminoso.

Apesar do prejuízo de R$ 1,5 milhão em equipamentos, ninguém ficou ferido, mas os pesquisadores sentem um misto de revolta e medo. Estão preocupados com o futuro do desenvolvimento de seu trabalho. Segundo o professor Homero Dewes, “O terror não busca apenas destruir o material, mas abalar as pessoas. Acerta a alma”.

Professores e pesquisadores são unânimes em um ponto: se a intenção era atingir os transgêncios, o tiro saiu pela culatra. Isso porque as pesquisas feitas pela Universidade, e em outros dez locais devidamente capacitados para tal no Estado, visam justamente detectar eventuais problemas que possam advir deste tipo de produto.  Isto, dizem os pesquisadores, atrasa mais ainda a evolução da descoberta do verdadeiro efeito dos transgêncios. O diretor do Centro, Carlos Termignoni, prefere não acreditar na hipótese de atentado até que se prove, mas também não descarta a possibilidade.

Uma das principais organizações que combatem os transgênicos no estado, a Via Campesina, que no dia do incêndio realizou uma marcha de protesto contra os próprios, já negou qualquer envolvimento, e diz que sua luta não é contra a pesquisa, e sim contra o lucro das empresas que se aproveitam dos transgênicos. A polícia vai agora investigar as pessoas que circularam pelo laboratório horas antes do incêndio, na tentativa de esclarecer mais sobre o caso.